Acusado de seqüestrar dentista em Jundiaí é preso

Policiais da Delegacia Especializada Anti-Seqüestro (DEAS) de Campinas prenderam na noite de quarta-feira, 15, o funileiro José Carlos Marques, de 35 anos, conhecido como "Alemão", acusado de seqüestrar um dentista na cidade de Jundiaí, no interior de São Paulo. O crime aconteceu na última quinta-feira, 9, quando o dentista ia para um clube da cidade. No estacionamento, ele foi abordado por dois homens armados que o mantiveram em seu veículo e seguiram rumo à Rodovia Anhangüera.Após roubar pertences pessoais do dentista, os seqüestradores ligaram para a família da vítima pedindo dinheiro. Na tarde de sexta-feira, 10, os familiares pagaram o resgate e o dentista foi libertado nas proximidades de Jarinu. Ele havia sido vigiado por dois seqüestradores, em um motel próximo a Campo Limpo Paulista, que dirigiam um Vectra verde.Policiais da Delegacia Especializada Anti-Seqüestro (Deas) de Campinas interrogaram o proprietário do veículo. Segundo ele, o carro estava em uma funilaria aos cuidados de "Alemão", que afirmou ter devolvido o carro na quinta-feira, 9, contrariando a versão do proprietário, que disse ter recebido o veículo na sexta-feira, 10. Dinheiro do resgateNa casa do funileiro, foi encontrada uma parte do valor do resgate. O suspeito, que saiu da prisão em julho do ano passado, tem uma longa ficha criminal, incluindo tráfico de drogas, homicídios e porte ilegal de arma. Ele confessou o crime e pode ser condenado a, no mínimo, oito anos de prisão. "Alemão" foi encaminhado ao Centro de Detenção Provisória de Campinas e foi reconhecido pela vítima.InvestigaçãoA polícia continua investigando o caso para prender outros três acusados de participação no seqüestro. Mateus Ferreira Maia da Silva, o ´Galego´, foi apontado como um dos autores. Ele já tem antecedentes criminais por tráfico de drogas. Um outro suspeito é conhecido como ´Magrão´, tem cerca de 30 anos, cabelos claros e grisalhos, e provavelmente mora em Campo Limpo Paulista. O último acusado tem por volta de 50 anos, é conhecido como ´Ferreira´ ou ´Pereira´, e seria um advogado. Informações sobre os suspeitos podem ser passadas anonimamente para a Delegacia Especializada Anti-Seqüestro de Campinas, no serviço telefônico 181.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.