Acusado pela morte de Eliza Samúdio, Bola tem princípio de enfarte em Minas

Novos exames, no entanto, descartaram algum problema e Marcos Aparecido dos Santos teve alta

Solange Spigliatti, do estadão.com.br, atualizado às 12h15

17 Fevereiro 2012 | 10h44

SÃO PAULO - O ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, um dos réus do caso Eliza Samúdio, foi internado na madrugada desta sexta-feira, 17, com o que seria um princípio de enfarte, em Betim, Minas Gerais.

Segundo a Secretaria Estadual de Defesa Social, Bola começou a passar mal por volta da 1h, quando foi levado para uma policlínica de São Joaquim de Bicas, cidade onde está localizada a Penitenciária Professor Soares Jason Albergaria. Logo depois, ele foi transferido para Unidade de Atendimento Imediato (UAI) Sete de Setembro, em Betim, cidade vizinha.

De acordo com a assessoria da prefeitura de Betim, Bola chegou à unidade de atendimento com dores no peito e passou por exames, entre eles um eletrocardiograma, que constatou princípio de enfarte. Outra avaliação, porém, não confirmou nenhum problema cardíaco, por isso ele recebeu alta por volta das 11h.

 

A avaliação da equipe médica da unidade é de que as dores no peito relatadas pelo paciente tenham sido provocadas por outros motivos. Além de ser asmático, o ex-policial se exercita bastante na penitenciária, o que pode ter provocado dores musculares, ou o problema pode ter ainda de origem gástrica. Diante desse quadro, ele ficará em observação, não sendo necessária a internação.

 

Durante o período de internação, Bola ficou sob escolta policial isolado em uma das salas de emergência da unidade. Segundo a assessoria da prefeitura de Betim, ele deixou a UAI com quadro estável, se locomovendo normalmente, sem dores e com sinais vitais normais.

Acusação. Bola é suspeito de envolvimento no desaparecimento e morte de Eliza Samudio, de 25 anos, ex-amante do goleiro Bruno. Ela sumiu em junho de 2010. O corpo da jovem ainda não foi localizado, mas a investigação aponta que o ex-goleiro e outras oito pessoas teriam participado do assassinato.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.