Acusados da morte de calouro são enquadrados por homicídio qualificado

Quatro implicados na morte por afogamento do calouro Edson Tsung Chi Hsueh, de 22 anos, durante um trote violento na piscina da Associação Atlética Oswaldo Cruz, da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) no dia 22 de fevereiro de l999, foram enquadrados nesta segunda-feira por homicídio qualificado. Eles estão sujeitos a pena variável de 12 a 30 anos de cadeia.A decisão é da juíza do 5º Tribunal do Juri, no fórum regional de Pinheiros, Maria Lucia Ribeiro de Castro Pizzotti Mendes. Ela recebeu denúncia apresentada na sexta feira pela promotora Eliana Passarelli, contra os médicos Guilherme Novita Garcia e Frederico Carlos Jane Neto, o "Ceará", que se formaram em l999, e ainda contra os estudantes Luiz Eduardo Passarelli Tirico e Ary de Azevedo Marques Neto.Ceará e Garcia são acusados de liderar o trote violento, com o auxílio dos demais, jogando calouros na piscina e impedindo-os de sair da água.A pena por homicídio qualificado é cumprida integralmente em regime fechado, por ser considerado crime hediondo. Para a promotora, a morte de Edson foi ocasionada por meio cruel (afogamento). A juíza marcou interrogatório dos quatro réus para o próximo dia 16, às 10h30.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.