Acusados de chacina na Grande São Paulo são absolvidos

Terminou à 1h40 desta sexta-feira, no Fórum de Guarulhos, na Grande São Paulo, o julgamento de dois homens acusados de serem os autores de um triplo homicídio e de integrar uma quadrilha de extermínio naquela cidade. Cláudio Honório de Morais, soldado do 15º Batalhão da Polícia Militar, expulso da corporação, e o segurança Cláudio Rodrigues dos Santos foram absolvidos pelo júri por um placar favorável de 5 votos a 2. A sessão teve início às 13h de quinta.Após a leitura do veredicto, pelo juiz Leandro Jorge Bittencourt Cano, a Promotoria Pública afirmou que irá recorrer da decisão. Mesmo sendo absolvidos, Honório e Rodrigues continuarão presos pois respondem a outros crimes. Neste julgamento de mais de 12 horas de duração, os dois réus respondiam por um triplo assassinato ocorrido no dia 6 de abril de 2003 na favela do Jardim Tranqüilidade, em Guarulhos.Foram assassinados naquele dia Paulo Sérgio de Souza Bernardes, Daniel Gernílhia dos Santos e Rodrigo Franco dos Santos. Uma quarta pessoa, Carlos Alberto Pinheiro Júnior, sobreviveu. De acordo com a acusação, as vítimas caminhavam quando foram abordados por ocupantes de um carro, que desceram atirando. Foram feitas na época muitas denúncias contra policiais militares acusados de integrar uma gangue de extermínio. Oito foram levados para o Presídio Romão Gomes, da PM, preventivamente, e outros 42 afastados de suas funções.Entidades de Direitos Humanos chegaram a afirmar que esse suposto grupo de extermínio, batizado de "Tático Nordeste" aproveitou as ondas de ataques atribuídas ao Primeiro Comando da Capital (PCC) para voltar a agir, fazendo um total de 52 vítimas, a maioria delas jovens de classe baixa e moradores da periferia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.