Polícia Civil/AFP
Polícia Civil/AFP

Acusados de matar Marielle participam de audiência por videoconferência

Ronnie Lessa e Élcio Queiroz estão presos na penitenciária federal de Mossoró. Eles devem prestar o primeiro depoimento à Justiça, mas isso só ocorrerá depois da oitiva de testemunhas

Fábio Grellet, O Estado de S.Paulo

07 de junho de 2019 | 20h08

RIO - Os dois homens presos sob acusação de matar a vereadora Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes - o policial militar reformado Ronnie Lessa, apontado como autor dos disparos, e o ex-PM Élcio Queiroz, acusado de dirigir o carro usado durante o crime - participaram nesta sexta-feira, 7, da primeira audiência de instrução do processo a que respondem pelo duplo homicídio.

Eles estão presos na penitenciária federal de Mossoró (RN) e acompanharam por videoconferência a audiência, que ocorreu no Fórum Central do Rio de Janeiro, no centro.

Durante a audiência os dois vão prestar seus primeiros depoimentos à Justiça sobre os assassinatos de Marielle e Anderson, mas isso só vai ocorrer depois que forem ouvidas as testemunhas - primeiro as de acusação e depois as de defesa. Como estão arroladas para depor mais de 20 testemunhas, a audiência seria interrompida na noite desta sexta-feira e retomada na próxima semana.

Oficialmente, no entanto, não há informações sobre a audiência, porque o processo tramita em segredo de Justiça. A imprensa não teve acesso à sala onde as testemunhas foram ouvidas.

A primeira testemunha a ser ouvida, por volta das 14h, foi um policial militar que participou da investigação do caso. Ele deu detalhes sobre os elementos que permitiram apontar Lessa e Queiroz como autores do crime. Em seguida foi ouvida a viúva do motorista Anderson, Ágatha Reis, que relatou a rotina do marido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.