Adolescente é acusada de chefiar quadrilha de roubo de cargas

Em depoimente, garota, de 17 anos, se diz inspirada em Lili Carabina; polícia apura envolvimento em assassinato

Elder Ogliari, do Estadão,

04 Setembro 2007 | 14h50

A polícia gaúcha investiga a hipótese de uma adolescente, de 17 anos, de classe média alta de Novo Hamburgo, na região metropolitana de Porto Alegre, ter liderado pelo menos dois assaltos a caminhões de carga nos últimos meses. A garota foi detida no sábado e, por determinação da Justiça, solta. Segundo o delegado Rodrigo Zucco, nas ações, a jovem demonstrava inteligência e coragem ao portar duas pistolas.   De acordo com informações policiais, a quadrilha tem ramificações em diversos Estados e ainda está sendo desbaratada pela polícia. Desde o dia 12 de julho já foram presas 52 pessoas, nove das quais no último final de semana. A investigação mostrou que muitos dos assaltos eram praticados para atender encomendas de empresários do Rio Grande do Sul interessados em adquirir com deságio, para posterior revenda e exportação, cargas de couro, defensivos agrícolas, remédios, alimentos e equipamentos para a produção de calçados e cigarros.   Zucco adiantou que nos próximos dias poderão ser presos os receptadores. A polícia acredita que a adolescente se aproximou do grupo levada por uma amiga, enteada de um dos líderes da quadrilha, José Feijó, 40 anos, preso no sábado. Na seqüência teria se envolvido amorosamente com um dos assaltantes. Além de participar de algumas ações, ela transitava entre possíveis vítimas coletando informações para o bando.   A investigação também deve apontar se a jovem, que se disse inspirada em bandidas famosas como Lili Carabina, participou da morte de um comerciante em maio. No depoimento, a adolescente negou tanto o envolvimento amoroso com um homem do grupo quanto a participação nos assaltos. O delegado Zucco disse que as acusações são comprovadas por depoimentos coletados de outros envolvidos no caso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.