Adolescente morre em brincadeira com veículos e irmão se fere gravemente na saída do velório

No domingo, motociclista de 16 anos chocou-se com um carro em uma disputa chamada de ´tira-fina´ em Cascavel

EVANDRO FADEL, Agência Estado

05 Março 2012 | 16h05

CURITIBA - Rafael Vilimar de Oliveira Campos, de 16 anos morreu na tarde deste domingo, 4, ao realizar uma brincadeira conhecida como "tira fina" com o motorista de um Gol, que fugiu do local. Rafael, estagiário da assessoria de Comunicação da Universidade Estadual do Oeste (Unioeste), em Cascavel, no oeste do Paraná, pilotava uma moto. Roberto Ramos Pereira, de 17 anos, passageiro do Gol, fraturou a perna e está internado no Hospital Universitário. Ele vai passar por cirurgia.

Na manhã desta segunda-feira, 5, o irmão de Rafael, Willian de Oliveira Campos, de 24 anos, ficou gravemente ferido em um acidente quando saia do velório. Ele estava em uma motocicleta que bateu contra um automóvel. De acordo com a assessoria do Hospital Universitário, o rapaz sofreu traumatismo craniano encefálico e estava internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), respirando com ajuda de aparelho.

A Delegacia de Homicídios de Cascavel está investigando a ocorrência de domingo, mas até o início da tarde desta segunda-feira ninguém tinha sido ouvido. Segundo um dos investigadores, a brincadeira foi realizada no local onde estão as obras inacabadas do Contorno Oeste de Cascavel, ligando as BRs 163 e 467. O local tem recebido costumeiramente jovens nas tardes de domingo em eventos envolvendo disputas entre motos e automóveis, com imagens já postadas na internet.

No "tira fina", dois veículos postam-se nas extremidades da via e aceleram indo um de encontro ao outro. Quando chegam perto, eles desviam para lados diferentes, passando próximos um do outro. No entanto, na tarde de domingo, os dois motoristas acabaram mudando a direção para o mesmo lado e bateram de frente. Partes do corpo de Rafael ficaram espalhadas no chão.

Segundo o Departamento Nacional de Infraestrutura de Trânsito (Dnit), a empresa contratada para construir o contorno não respeitou os prazos e, por isso, o contrato foi encerrado em setembro do ano passado. Desde então, o processo para nova licitação visando ao término das obras estava em análise em Brasília. A assessoria do órgão em Curitiba disse que chegou a delegação de competência para que a licitação seja conduzida pela regional paranaense. Ainda de acordo com a assessoria, há placas no local alertando para a existência das obras.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.