Adolescente morre por bala perdida em tiroteio no Complexo do Alemão, no RJ

Traficantes voltaram a desafiar autoridades em locais retomados pelo Estado em novembro de 2010

estadão.com.br,

06 Setembro 2011 | 21h41

RIO e SÃO PAULO - Uma adolescente de 15 anos morreu ao ser atingida por uma bala perdida na cabeça durante intensa troca de tiros na noite desta terça-feira, 6, na Favela Grota do Alemão, no Complexo do Alemão, zona norte do Rio.

 

O tiroteio teria sido deflagrado por uma disputa entre traficantes das comunidades do Adeus, da Serra da Misericórdia e da Grota, e depois evoluiu para um confronto contra os militares que ocupam o complexo, segundo moradores. O Exército não confirmou esse enfrentamento. Para evitar que passageiros fossem atingidos por tiros, o teleférico recém-inaugurado no morro parou e vias de acesso, como a Estrada do Itararé, foram interditadas.

 

Carla da Silva, tia da jovem Ana Lúcia da Silva, disse que ela chegou a ser socorrida a uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Penha, mas teve morte cerebral declarada. Até o momento, nenhum órgão oficial confirma a morte.

 

A troca de tiros entre traficantes e a Força de Pacificação cessou por volta das 23 horas, segundo moradores, que foram revistados pelo Exército ao voltarem para suas casas. Dois blindados do Exército e um do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) da PM foram levados ao complexo. A tropa que ocupa o morro, integrada por cerca de 1.800 pessoas, foi reforçada por mais cem soldados.

 

Traficantes. A prisão de sete pessoas após novo confronto com a Força de Pacificação no Alemão, na noite de segunda-feira, 5, e um vídeo divulgado na terça-feira, 6, pelo Exército em que dois homens aparecem armados e vendendo drogas na Vila Cruzeiro mostram que os traficantes estão voltando a desafiar as autoridades nas comunidades retomadas pelo Estado em novembro de 2010.

 

A avaliação de militares e policiais é de que traficantes que permaneceram ou voltaram às comunidades estão incitando protestos violentos. O conflito de segunda-feira começou, segundo o Exército, após manifestação pacífica de moradores contra a atuação de militares no distúrbio de domingo, 4, no Morro da Alvorada - que terminou com dez feridos. Segundo o Exército, motoboys fizeram ameaças e os militares reagiram.

 

Prisões. Três policiais militares da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) dos Morros da Coroa, Fallet e Fogueteiro, no Rio Comprido (zona norte), foram presos anteontem à noite com R$ 13 mil em dinheiro, cuja origem não souberam explicar.

 

(Com Fábio Grellet, Roberto Godoy e João Paulo Carvalho, de O Estado de S. Paulo)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.