DIDA SAMPAIO / ESTADAO
DIDA SAMPAIO / ESTADAO

Adolescente terá que fazer reconstituição de ossos e tendões

Estudante de 14 anos, atingida no Colégio Goyases, já passou por cirurgia e está com pinos no pulso

O Estado de S.Paulo

24 Outubro 2017 | 13h36

A estudante de 14 anos baleada dentro de sala de aula no Colégio Goyases, em Goiânia, na última sexta-feira (20), terá que passar por cirurgias para reconstituir ossos e tendões do braço. O projétil chegou a atravessar o pulso da adolescente, conforme informou a mãe ao Estado

+ Sem fiscalização, lei antibullying engatinha no País

+ Aulas em escola onde houve ataque a tiros em GO voltam na próxima semana

A jovem, que já passou por cirurgia, está com pinos no pulso, segundo a mãe. A adolescente continua internada no Hospital dos Acidentados de Goiânia e ainda não definição sobre o dia que deve receber alta hospitalar.  A mãe afirma, no entanto, que pode ser que ela saia do hospital nos próximos dias.

O sentimento da mãe da adolescente, como explicou ao Estado, é de agradecimento. "Foi um presente que eu ganhei de Deus. Vendo a situação das outras crianças, com certeza eu só agradeço", disse ao Estado. A estudante terá, conforme a mãe, um longo tratamento pela frente, com mais cirurgias e fisioterapia. "Por onde a bala passou, destruiu ossos e tendões", explicou. Sobre o momento do taque, a mulher diz que por enquanto preferiu não falar com a filha.

Mais conteúdo sobre:
Colégio Goyases [Goiânia]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.