Polícia Militar
Polícia Militar

Adolescentes 'brincam' de 'GTA' e saem atirando pelas ruas em MG

Garotos de 14 e 17 anos usaram espingarda de pressão em Elói Mendes; 4 pessoas foram atingidas por balas de chumbinho

Rene Moreira, especial para o Estado

05 Março 2018 | 20h00

Dois adolescentes foram detidos neste domingo, 4, acusados de atirar contra as pessoas com espingarda de pressão em duas avenidas de Elói Mendes, no sul de Minas Gerais. Eles dispararam mais de dez vezes e alegaram que estavam brincando de GTA, jogo de videogame em que entre outras ações atiradores cumprem missões na rua. Os alvos foram os mais diversos, como carros, imóveis, o vidro de um restaurante e quatro pessoas. As vítimas foram atendidas no Pronto Socorro Municipal após serem atingidas com chumbinhos. Elas contaram que o atirador estava em um Fiat Uno de cor escura com placas de São Paulo.

+++ 'FIFA 17' e 'GTA V' são os jogos mais vendidos do País no 1º semestre de 2017

"Eles disseram que estavam agindo igual ao jogo, quando o personagem sai dirigindo um veículo e atirando nos locais e nas pessoas de forma aleatória", contou o tenente Alex Costa.

+++ MODO ARCADE: A culpa não é dos games!

Após diligências, a PM encontrou e apreendeu o veículo - o condutor tinha 17 anos. Ele então indicou o parceiro de 14 anos morador do centro da cidade, onde foram localizados uma carabina de pressão com luneta e diversos chumbinhos, alguns intactos e outros deflagrados.

+++ BLOG DOS COLÉGIOS - COLÉGIO RIO BRANCO: Especialista explica os aspectos positivos e negativos dos games para as crianças

Os dois envolvidos foram apresentados no Plantão Policial acompanhados dos pais e depois liberados. Dos feridos, um precisou ser submetido a cirurgia para a retirada do projétil e outro continua com o chumbinho no corpo.

Culpa

Este é o caso também do aposentado Paulo Mariano, de 72 anos, que foi atingido nas costas, teve de passar a noite no hospital e será operado para a extração do objeto. "Pensei que fosse uma pedrada de estilingue", falou sobre o tiro. 

Ele se diz revoltado com o ocorrido, mas acredita que mais responsáveis do que os atiradores sejam os pais. "Se as pessoas prestassem mais atenção nos filhos, esse tipo de coisa não aconteceria. O problema é que nos dias de hoje ninguém se preocupa com mais nada."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.