Ayrton Vignola/AE
Ayrton Vignola/AE

Adriano se diz 'tranquilo' porque não teria sido ele a dar o tiro

Jogador comentou a amigos que a mulher estava brincando com a arma do seu segurança no banco de trás do carro

estadão.com.br,

24 de dezembro de 2011 | 13h14

RIO - O jogador Adriano disse a amigos não ter sido o autor do disparo que atingiu Adriane Cirilo Pinto na mão esquerda. Ele contou que a menina, de 20 anos, estava no banco de trás de seu carro e brincava com uma arma quando se feriu sozinha, acidentalmente. A pistola, calibre 40, seria do segurança que presta serviço ao atacante do Corinthians.

 

O clube paulista se colocou à disposição do jogador se ele precisar de alguma ajuda jurídica.

Adriano passou a manhã em sua casa na Barra. Ele teria dito a amigos do condomínio que "está tranquilo" em relação à situação. "Eu estava no banco da frente. Qualquer perícia vai ver que o disparo foi feito no banco de trás. Bala não faz curva."

 

Adriano disse que não foi à delegacia (16ª DP), onde o caso foi registrado, por escapar do alvoroço da imprensa. Segundo ele, se a Polícia quiser ouvi-lo, pode fazer isso em sua casa.

 

A versão da mulher baleada, contudo, é outra. Ela diz que o tiro foi dado por Adriano. De acordo com o tenente do 31º BPM (Recreio dos Bandeirantes), Reinaldo Tomás da Silva, Adriane foi ferida dentro do carro do jogador e encaminhada ao Hospital Barra D'Or, que acionou o serviço de emergência da PM.

 

Ela relatou que Adriano brincava com a pistola, quando acidentalmente teria disparado em sua mão. Adriane sofreu fratura exposta e passará por uma cirurgia na tarde deste sábado. De acordo com a PM, além de Adriano e a vítima, outras duas jovens estavam no veículo e um tenente reformado da Polícia Militar dirigia o carro. A arma seria do tenente reformado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.