Adversários terão de "roer o osso", diz Lula em comício

Em comício realizado na noite desta segunda-feira, depois da inauguração do comitê nacional de sua campanha, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que seus adversários do PSDB e do PFL terão primeiro de "roer o osso" antes de voltar a governar o Brasil.Num discurso de 35 minutos para uma platéia de aproximadamente 2,3 mil pessoas - um público que nem de longe lembrava os tempos do PT antes da crise política -, Lula afirmou ter comido "o pão que o diabo amassou" para fazer uma verdadeira "restauração" no País e recuperar a dignidade do povo pobre. Com esse tom, disse que não permitirá que "eles" destruam o País porque já tiveram "500 anos de oportunidades"."Agora que o Brasil está preparadinho, está ajeitadinho, eles querem comer o filé mignon que nós colocamos na mesa?", perguntou o presidente-candidato. Em seguida, ele mesmo respondeu: "Não... Vão ter que roer o osso primeiro. Vão ter que roer como nós roemos, porque nós agora é que vamos fazer o Brasil que pretendemos fazer a vida inteira."Diante de um painel enorme no qual acariciava uma criança negra, decorado com gérberas coloridas e escondendo o vermelho do PT, Lula insistiu na tese de que é vítima de "preconceito" das elites. Disse que seu governo "incomoda" os poderosos e, contrariando recomendações de sua assessoria jurídica, fez várias comparações entre a sua gestão e o governo "deles", numa referência à administração de Fernando Henrique Cardoso (PSDB)."Eu conheço a alma do povo e a alma dos meus adversários. Eles ficam doidos. Como é que esse pernambucano, esse nordestino que só teve curso do Senai consegue controlar a inflação, aumentar as importações, aumentar emprego?", perguntou Lula, caprichando na entonação mais fina para imitar os seus adversários. Depois, ao elogiar os programas sociais do seu governo, exclamou: "Ah... Como é fácil aqueles que enchem o bucho não quererem que o pobre coma um pouco!"O comitêO comitê inaugurado por Lula, no Setor Comercial Sul de Brasília, passou por uma reforma que custou R$ 600 mil e terá despesas da ordem de R$ 400 mil a R$ 500 mil por mês, incluindo a folha de pagamento de 150 funcionários.Com três andares, contará com uma central de relacionamentos - uma espécie de telemarketing - para atender a todos que quiserem informações sobre a campanha.Lula visitou o comitê rapidamente e foi para o comício no estacionamento. "Me disseram que aqui teria um coquetel, mas só se for um coquetel de gente", brincou o presidente, na tentativa de animar a platéia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.