Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Advogada de atirador de Goiânia diz que não houve omissão em acesso à arma

Rosangela Magalhães evitou comentar a estratégia da defesa, mas afirmou estar preocupada com integridade física de jovem; PM informou que vai apurar se houve descuido dos pai

Breno Pires, Enviado especial a Goiânia, O Estado de S. Paulo

21 Outubro 2017 | 18h25

GOIÂNIA - A advogada do adolescente que matou dois colegas de classe em Goiânia, com uma pistola da Polícia Militar sob responsabilidade da mãe, que é sargento da PM, afirmou que não houve omissão por parte dos pais no cuidado em relação à arma.

"Não foi omissão, mas eu não vou dar mais informações agora, porque não estou autorizada, mas não houve omissão", disse Rosangela Magalhães, após sair da Delegacia de Polícia de Apuração de Atos Infracionais (Depai), em Goiânia, pouco depois de o garoto de 14 anos ser ouvido pelo Ministério Público.

+++ MP pede internação provisória de garoto que matou colegas em Goiânia

A PM informou na sexta-feira que irá apurar em um procedimento administrativo se houve descuido dos pais e se seria possível uma responsabilização por o adolescente ter tido acesso à arma, pistola de calibre .40. O depoimento prestado pelo adolescente neste domingo foi em relação ao processo judicial, e não o da PM.

A advogada evitou comentar a estratégia da defesa e as informações trazidas à imprensa pelo promotor de plantão, Cássio Sousa Lima, que pediu a internação provisória por 45 dias, até o julgamento do caso no Juizado da Infância e do Adolescente.

+++ Colegas dizem que atirador de Goiânia ameaçava matar estudantes

"A gente resolveu que não é para falar em respeito à família. O que eu posso dizer é que nós vamos nos manifestar depois que ele for apresentado ao juiz e que a gente está preocupado com a integridade física dele. A gente levou essa preocupação ao Ministerio Público, e ele é sensível a isso também", disse a advogada.

Questionada sobre se o garoto demonstrou arrependimento, ela disse que não era momento de falar sobre o assunto.

"É isso que eu pedi, que nós não falemos sobre isso ainda. É muito recente e vamos esperar a próxima semana, quando ele deve ser apresentado ao juiz", disse Rosangela Magalhães.

 

O pai do adolescente entrou e saiu da Depai por um caminho que a imprensa não teve acesso. Ele acompanhou o depoimento do filho. Segundo o promotor, o pai estava consternado e disse que o chão da família caiu. A mãe não compareceu porque está internada e sedada, de acordo com a advogada, após ter passado mal diante do acontecimento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.