Advogada é morta com 5 tiros quando saía de casa em Curitiba

Autor dos disparos fugiu; polícia investiga hipóteses relacionadas a atividades profissionais e pessoais da vítima

Evandro Fadel, de O Estado de S. Paulo,

24 de fevereiro de 2010 | 16h44

A advogada criminalista Kátia Regina Leite Ferraz, de 45 anos, foi morta, por volta das 9 horas da manhã de ontem (24), quando saía do condomínio residencial onde mora, no Bairro Boa Vista, em Curitiba.

 

Segundo a polícia, ela foi abordada por uma pessoa que se aproximou da caminhonete Sportage que dirigia, desferindo cinco tiros em sua cabeça com uma pistola 9 milímetros. Essa pessoa subiu rapidamente na garupa de uma motocicleta, que tinha a placa levantada para dificultar identificação, e fugiu.

 

Aparentemente, nenhum objeto da advogada foi levado e a polícia também duvida que tenha havido tentativa de roubo do veículo, em razão do número de tiros desferidos. "Analisamos outras nuances, alguma coisa relacionada com a atividade profissional ou vida pessoal", disse o delegado de Homicídios de Curitiba, Hamilton da Paz.

 

A seccional paranaense da Ordem dos Advogados do Brasil designou o advogado Dálio Zippin Filho para acompanhar o inquérito e enviou ofícios para o Ministério Público Estadual e para a Secretaria de Estado de Segurança Pública pedindo a designação de promotor e delegado especial.

 

Até janeiro de 2005, Kátia trabalhava na assessoria jurídica da Secretaria da Educação, quando se aposentou. A secretaria não forneceu dados sobre os motivos da aposentadoria precoce. A advogada morava no condomínio com três filhos.

Mais conteúdo sobre:
AssassinatoCuritiba

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.