Advogada que dá assistência a presos é solta pela Justiça

A advogada Iracema Vasciaveo, diretora jurídica da ONG Nova Ordem, ganhou na noite desta segunda-feira, liberdade provisória concedida pelo juiz auxiliar do Departamento de Inquéritos Policiais da Capital (Dipo), Vinícius de Toledo Piza Peluso. Iracema estava na carceragem do 89º Distrito Policial, do Morumbi, na zona sul de São Paulo, após ter sido presa por porte ilegal de arma. No último dia 23, agentes do Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado (Deic), em cumprimento de 12 mandados de busca e apreensão, na capital e em Santos, litoral paulista, detiveram, além de Iracema, o presidente da ONG, Ivan Raymundi Barbosa, e os diretores Anderson Luis de Jesus e Simone Barbaresco. Iracema presta assistência jurídica a presidiários e vinha sendo investigada pelo Ministério Público. Ela era a porta-voz dos presos Centro de Readaptação Penitenciária de Presidente Bernardes, interior do Estado, que realizaram greve de fome em novembro do ano passado. Entre os detentos em greve estava Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola, apontado como o chefe do Primeiro Comando da Capital - facção criminosa que age dentro de fora dos sistema prisional paulista. Os quatro líderes da Nova Ordem, segundo investigações, teriam ligação com o seqüestro do repórter Guilherme de Azevedo Portanova e do auxiliar-técnico Alexandre Coelho Calado, ambos da TV Globo, entre os dias 12 e 14 de agosto de 2006. Durante a liberdade provisória, a advogada terá que comparecer a todos os atos do processo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.