Advogada que tentou enviar droga por Sedex é liberada

A advogada Cristina Pagani, que foi presa quando tentava liberar uma encomenda de cocaína na agência dos Correios do município de Luís Eduardo Magalhães, a 800 quilômetros de Salvador, foi liberada nesta sexta-feira, 29, por determinação do Juiz da Vara Crime da comarca de Barreiras, Antonio Luís Cunha. A droga estava escondida em um pote de hidratante.A prisão ocorreu na quinta-feira, 28. De acordo com a polícia, as 30 gramas da droga estavam embaladas em um preservativo e foram encontradas acidentalmente pelos funcionários do serviço postal, quando o pote se abriu.O delegado Eduardo José Rezende Neto, conta que Cristina foi presa pela Polícia Militar quando tentava liberar a identidade do destinatário do Sedex com cocaína, Igor Vilella, filho de um corretor da cidade. "O pessoal dos Correios retiveram o documento enquanto acionavam a polícia, mas o Igor, percebendo as suspeitas, deixou o local e acionou a doutora Cristina", explicou o delegado, que procura o autor da remessa da droga.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.