Advogado da família de Ubiratan critica MP e diz que vai pedir prisão de Carla

O advogado Vicente Cascione, que representa a família do coronel e deputado estadual Ubiratan Guimarães, assassinado no dia 09 de setembro em São Paulo, afirmou na noite desta quarta-feira, 20, que pretende pedir a prisão de Carla Cepollina. Segundo ele, a advogada dela, Liliana Prinzivalli, está atrapalhando as investigações. " Eu estou estudando a possibilidade de requerer primeiro à polícia e depois, se não for o caso, ao próprio Judiciário, a prisão se continuar a possibilidade de tumulto de prova, de tentativa de prova", declarou. "A suspeita, até agora, tentou de todas as maneiras fazer confusão, desviar o foco. Elementos que poderiam ser fundamentais para investigação não foram trazidos. Houve muita dificuldade". De acordo com informações da reportagem da Rádio Eldorado AM, Cascione também criticou a lentidão do trabalho do Ministério Público e acusou a instituição de estar ´sonolenta, apática e dopada´. O promotor Luiz Fernando Vadione ressaltou que assim que receber o inquérito, todo mundo vai ver que o Ministério Público não é apático. Após sete horas, a mãe de Carla Cepollina, a advogada Liliana Prinzivalli, deixou a sede do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) na noite desta quarta sem falar com a imprensa. Ela chegou por volta do meio-dia e não explicou os motivos de sua ida ao local. Dois funcionários do deputado e duas pessoas que não tiveram os nomes divulgados ainda estão sendo ouvidas no DHPP. A ex-assessora política do coronel Ubiratan Guimarães, Karina Florido Rodrigues, prestou depoimento das 9 às 13h55 desta quarta no DHPP. Ela falou principalmente sobre a rotina de trabalho de Ubiratan.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.