Reprodução/TV Alterosa
Reprodução/TV Alterosa

Advogado de Bruno aparece usando drogas em vídeo; OAB-MG irá apurar conduta

Conhecido pelas atitudes polêmicas, Ércio Quaresma poderá ser suspenso preventivamente, o que o impediria de continuar à frente do caso

Eduardo Kattah, O Estado de S. Paulo

17 Novembro 2010 | 18h47

BELO HORIZONTE - A Comissão de Ética da seção mineira da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-MG) instaurou um procedimento para apurar a conduta do advogado Ércio Quaresma, que representa o goleiro Bruno Fernandes, acusado de ser o mandante do desaparecimento e possível morte de Eliza Samudio. Conhecido pelas atitudes polêmicas, o defensor de Bruno poderá ser suspenso preventivamente pela OAB, o que o impediria de continuar à frente do caso. O advogado aparece em um vídeo da TV Alterosa - afiliada do SBT em Belo Horizonte - fumando crack, supostamente em uma boca de fumo localizada na região noroeste da capital mineira.

 

Veja também

trailer Confira vídeo onde advogado aparece consumindo droga

 

Ciente da gravação, Quaresma se antecipou à veiculação do vídeo e concedeu entrevista à emissora admitindo que é dependente da droga e luta há oito anos contra o vício.

 

Desde o início das investigações envolvendo o desaparecimento da ex-amante do goleiro foram abertos quatro procedimentos disciplinares contra o advogado na OAB. A conduta de Quaresma tem causado constrangimento na seção mineira da Ordem. A entidade requisitou o vídeo em que ele aparece consumindo crack. "A OAB está estudando a aplicação ou não de uma medida preventiva para a suspensão dele até que os processos sejam julgados.

 

A turma do Tribunal de Ética vai julgar se é o caso ou não de suspensão", disse nesta quarta-feira, 17, ao Estado o presidente da entidade, Luís Cláudio da Silva Chaves, alegando que a medida visa "preservar os clientes" do advogado. "A gente lamenta, uma droga grave dessas..." A OAB, disse Chaves, pretende realizar um rito célere depois que o defensor de Bruno for notificado.

 

Hoje, a reportagem procurou Quaresma, mas a informação em seu escritório era que ele estava em viagem. Na semana passada, durante audiência de instrução com depoimentos dos réus, o advogado disse a interlocutores que já esperava pela divulgação do vídeo. A gravação estaria sendo oferecida a emissoras de TV e jornais.

 

"Pai". Durante os interrogatórios no Fórum de Contagem (MG), ele protagonizou momentos inusitados ao dormir na sala de audiência, obrigando a juíza Marixa Fabiane Rodrigues a chamar sua atenção em pelo menos três oportunidades. "Doutor Ércio Quaresma, o senhor poderia parar de roncar e se aproximar para acompanhar o depoimento de seu cliente?", reclamou a magistrada durante o depoimento de Bruno.

 

O goleiro, apesar das confusões do advogado, já disse publicamente que o considera como um pai que não teve. Quaresma, contudo, já foi acusado de ameaças por familiares do próprio Bruno. A noiva do goleiro, a dentista Ingrid, chegou a gravar uma conversa telefônica em que o advogado, em tom ameaçador, dizia que não era o "advogado do diabo", mas o próprio. "Sou o cão, sou o demônio, sou o satã, o Lúcifer".

 

No ano passado, Quaresma chegou a ser preso com pedras de crack escondidas na boca em uma favela de Belo Horizonte. Na entrevista à emissora mineira, ele contou que há um ano e meio buscou ajuda profissional especializada para se livrar do vício, mas nesse período teve três recaídas.

 

Ex-policial na década de 1980, o advogado de 46 anos chegou a concorrer como candidato ao governo de Minas em 1994 e gosta de contar que trabalhou em outros casos de repercussão nacional - o assassinato da missionária americana Dorothy Stang e massacre de 19 sem-terra em Eldorado dos Carajás, ambos no Pará.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.