Advogado de Dirceu vê acusação leviana

Procurado pela reportagem do Estado, o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu delegou a tarefa de responder às acusações do corretor de valores Lúcio Funaro a seu advogado, José Luís de Oliveira Lima.

, O Estadao de S.Paulo

16 de março de 2010 | 00h00

"(Funaro) É uma pessoa com a qual o ministro jamais teve qualquer contato pessoal, telefônico ou por terceiros e essas afirmações são levianas, desprovidas de qualquer documento", declarou o advogado. "Esse senhor não merece credibilidade."

Em nota, o Grupo Almeida Júnior afirmou que, por ser sócio majoritário do Shopping Neumarkt, tinha preferência na compra quando o Portus decidiu, em 2004, vender sua participação no empreendimento. O fundo de pensão dos servidores do setor portuário fundo detinha 20% das frações ideais do shopping.

"Os valores da oferta foram objeto de avaliação independente promovida pela própria Portus e os empreendedores exerceram seu legítimo direito de preferência", informa o texto da nota divulgada ontem.

Por intermédio de sua assessoria de imprensa, a corretora ASM Asset Management limitou-se a declarar que as afirmações de Funaro são irresponsáveis e levianas.

A assessoria da Direção Nacional do PT avisou que o tesoureiro do partido, João Vaccari Neto, não vai se pronunciar sobre as denúncias envolvendo fundos de pensão.

O advogado do tesoureiro, Luiz Flávio D"Urso, não respondeu aos telefonemas feitos pela reportagem. / R.R.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.