Ernesto Rodrigues/Estadão
Ernesto Rodrigues/Estadão

Advogado de João de Deus minimiza novos mandados de busca: 'não há o que esconder'

Polícia Civil anunciou na segunda-feira, 17, que obteve autorização para mais 20 mandados de busca e apreensão em endereços ligados ao médium; MP de Goiás recebeu mais de 500 relatos contra o líder espiritual

Renan Truffi, O Estado de S.Paulo

18 de dezembro de 2018 | 12h26

GOIÂNIA - O anúncio de que a Polícia Civil de Goiás conseguiu mais 20 mandados de busca e apreensão em endereços ligados a João Teixeira de Faria, o João de Deus, criou a expectativa de que um dos alvos seja a Casa Dom Inácio de Loyola. O médium fazia "atendimentos espirituais" desde 1976 no espaço,  localizado em Abadiânia, no interior goiano. Apesar dos endereços não terem sido divulgados, a delegada Karla Fernandes afirmou na segunda-feira, 17, que quatro diligências seriam as principais.

Até o momento, a defesa de João de Deus, realizada pelo advogado criminalista Alberto Toron, disse não ter notícia de qualquer nova averiguação contra o líder espiritual. "Essas ordens de busca e apreensão são sempre sigilosas. Estranho a sua prévia divulgação pela imprensa. De qualquer modo, não tive ciência disso e as autoridades terão amplo acesso a tudo que precisarem. Não há o que esconder e vamos colaborar", afirmou ao Broadcast Político

Segundo a delegada, dois mandados teriam sido cumpridos na própria segunda. O objetivo das buscas seria colher material para reforçar o conjunto de provas, principalmente mídias digitais que possam conter mensagens do médium para outras pessoas.

Sobre o tema, Toron rebateu dizendo que o médium é semianalfabeto e, portanto, a medida não deve surtir efeito para as investigações. "Além de inusual (a divulgação dos mandados de busca), o João de Deus mal escreve e mal lê. Que mensagens por mídias digitais seriam essas?", questionou.

A partir desta quarta-feira, 19, a Casa Dom Inácio de Loyola retoma os atendimentos espirituais. No local, o público poderá se consultar com outros médiuns que também trabalhavam na Casa, pois João de Deus segue cumprindo prisão preventiva no Complexo Penitenciário de Aparecida de Goiânia, também no interior goiano.

O médium aguarda decisão da Justiça de Goiás sobre um pedido de habeas corpus para que possa voltar à liberdade. Além disso, até segunda-feira, 17, o Ministério Público recebeu mais de 500 relatos contra o líder espiritual. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.