Advogado de Suzane rebate e diz que orientar cliente é dever

O advogado Mário de Oliveira Filho, que representa, junto com seu irmão, Mário Sérgio de Oliveira, Suzane von Richthofen, rebateu nesta segunda, 10, as críticas que recebeu do presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Roberto Busato, sobre ter orientado sua cliente em uma entrevista à Rede Globo. "É dever do advogado orientar seu cliente. Inclusive dizer quando e o que ele deve falar, se deve calar, se deve ou não levantar a cabeça, se deve olhar nos olhos do interlocutor, se tem de responder às perguntas e esclarecer os fatos ou se deve responder sem esclarecer nada", disse Oliveira Filho. Neste domingo, 9, o Fantástico, da Rede Globo, exibiu uma entrevista em que Suzane, a jovem de 22 anos acusada de planejar e participar do assassinato dos pais, Manfred e Marisa Richthofen, em 2002, junto com seu ex-namorado Daniel Cravinhos e o irmão dele Christian. Na reportagem, a jovem aparece chorando (ou fingindo chorar), diz que foi forçada pelo namorado a planejar a morte dos pais e que quer voltar a ter uma vida. Em seguida, a emissora exibiu trechos da gravação em que o advogado Mário Sérgio orienta Suzane a chorar e a interromper a entrevista, como foi feito seguidas vezes.Em entrevista à revista Consultor Jurídico, Mário de Oliveira Filho afirmou que "ao advogado é proibido forjar provas, documentos, orientar testemunhas", mas não orientar o comportamento do cliente. O advogado afirma que se mesmo em juízo é facultado ao réu o silêncio - já que ninguém é obrigado a se auto-incriminar ou a produzir prova contra si próprio - numa entrevista a um programa de televisão ele deve estar bem assistido.Sobre o momento mais controvertido da entrevista - quando o advogado supostamente orienta a ré a chorar e a interromper a entrevista - Oliveira Filho afirma que a edição da reportagem não mostrou o momento em que Suzanne pergunta a seu irmão, Mário Sérgio, o que deveria fazer caso se sentisse agoniada. Ao responder a essa pergunta, teria partido a orientação: "Começa a chorar e fala: ´Eu não quero mais´."Ética profissionalEm entrevista à repórter Laura Diniz, do Estado, o promotor de Justiça Roberto Tardelli, que comanda a acusação contra Suzane, comemorou as imagens e afirmou que a reportagem do Fantástico "dá uma força grande para a acusação porque revela quem é ela e quem são as pessoas que a ampararam".Para o advogado criminalista Antônio Ruiz Filho, o profissional não pode orientar o cliente na prática do crime. Mas a orientação "para uma entrevista faz parte de um conjunto de providências que o advogado tem de tomar na condução da defesa". Para Ruiz, não houve infração ética no caso.Outro advogado criminalista, que prefere não se identificar, afirmou que defesa de Suzane se meteu numa grande trapalhada ao programar uma entrevista da ré, na principal rede de televisão do país, ás vésperas do Júri. "Faltou inteligência aos advogados", diz ele.Afronta à éticaSegundo o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, contudo, as cenas mostradas pelo Fantástico "afrontam preceitos éticos que norteiam a advocacia".O presidente nacional da Ordem, Roberto Busato, afirmou que "a advocacia é estribada em rígidas regras éticas e morais e não se pode admitir nenhum tipo de procedimento que não esteja em conformidade com aqueles dispostos na ética". Busato disse que cabe à seccional paulista - onde os advogados estão inscritos - apurar a eventual falta profissional e aplicar a devida sanção.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.