Advogado de Valente diz que há armação política

O novo advogado de defesa de Celso Valente, José Luiz Oliveira Lima, afirmou que seu cliente nega qualquer participação em operações de venda de cargos na polícia e disse que Valente é vítima de armação política porque tem parentesco com o ex-secretário adjunto de Estado da Segurança Pública, Lauro Malheiros Neto. "Há questões políticas envolvendo esses fatos. Há disputa de cargos e de poder. Eles são primos e foram sócios no passado, mas não atualmente." Oliveira Lima substitui Mauro Nacif.O defensor reclamou que ainda não teve acesso aos volumes do processo do Ministério Público. Contou que após "breve conversa" por telefone com Valente já consegue afirmar que a gravação em que seu cliente aparece está editada e os diálogos estão fora do contexto do que foi conversado. "Quando você tem um diálogo de uma fita editada é uma coisa e quando tem o contexto geral disso é uma outra situação. Não é o que está hoje (ontem) no Estado."O contato entre Valente e o interlocutor da gravação, disse Oliveira Lima, aconteceu depois que um advogado chamado Fulvio se propôs a apresentar um cliente. "Seria esse José Luiz. Ele teve um diálogo com esse advogado e com essa pessoa. Ao término, ele liga para o dr. Fulvio e diz ?não entendi essa conversa. Essa conversa me pareceu estranha. Quero falar com o senhor?. E não teve um segundo contato com ele." Com o investigador Augusto Pena os contatos foram "absolutamente profissionais".O criminalista Alberto Toron, que defende Malheiros Neto, afirmou que até agora também não teve acesso aos autos do processo. Disse que Malheiros Neto quer e pediu para ser ouvido sobre as denúncias, mas até agora os promotores não demonstraram interesse.

Eduardo Reina, O Estadao de S.Paulo

05 de março de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.