Advogado dos Stahelis sugere que criminoso é estrangeiro

O advogado da família Staheli, João Mestieri, disse há pouco em entrevista coletiva acreditar que o assassinato de Zera e Michelle tenha sido praticado por um estrangeiro e sugeriu que o crime tenha relação com os negócios do executivo da Shell, que, antes de trabalhar no Brasil, atuou em países como Bolívia, Arábia Saudita, Rússia e Ucrânia. ?Isso (o crime) não é coisa de criancinha?, disse o advogado, que não confirmou a participação dos filhos de 10 e 13 anos do casal na reprodução do crime prevista para às 8h de amanhã. Mestieri afirmou ainda que o secretário de Segurança Pública do Rio, Anthony Garotinho, deveria divulgar o conteúdo da conversa que teve ontem, por três horas, com os dois agentes do FBI que estão no Rio para acompanhar a investigação da polícia carioca. ?É uma solução cômoda a hipótese de uma pré-adolescente de 13 anos e um pirralho de 10 terem trucidado os pais. Assim não há violência no Rio, a violência é importada. Mas não acredito que exista má-fé. Minha teoria é que as pistas estão fora de casa e não dentro?, afirmou. Para ler mais sobre o crime na Barra da Tijuca: » Caso Staheli: especialistas estranham demora da polícia » Polícia do Rio vai refazer perícia na casa dos Staheli » Parentes querem adiar reconstituição do crime dos Staheli » FBI manda investigadores para acompanhar casa Stahelli » Corpo de Michelle Staheli já foi encaminhado para necropsia » Polícia ainda não solicitou sangue de mulher de executivo » Morre Michelle Staheli, a mulher do executivo » Filhos do casal terão que prestar depoimento » Depoimento da filha mais velha tem contradições, diz secretário » Morte cerebral de Michelle Staheli é ?questão de tempo? » Situação de Michelle Staheli é ?extrema?, diz boletim » Polícia quer impedir que filha de executivo deixe o País » Mercado não acredita em ameaças ao executivo americano » Estado da mulher do executivo choca os parentes » Parentes do casal americano chegam ao Rio » Empresário americano podia estar sendo ameaçado

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.