Advogado pede habeas-corpus para Sara Alvarenga

O advogado de Sara Maria Rosolen Alvarenga, Pedro Renato Marcelino, entrou nesta segunda-feira com um pedido de habeas-corpus e de liminar no Tribunal de Justiça de São Paulo para que ela responda em liberdade ao processo em que é acusada de participação na tentativa de assassinato contra os dois filhos. O crime ocorreu no último dia 2, em Campinas.Segundo o advogado, a resposta ao pedido de liminar deve sair em dois dias e o julgamento do mérito da ação de habeas-corpus, em 40 dias. Ele comentou que a Justiça pode indeferir o pedido de liminar, mas acatar a ação. Acrescentou que irá aguardar as novas decisões judiciais. O interrogatório dos acusados, lembrou, está marcado para o próximo dia 26.No último dia 2, o marido de Sara, Alexandre Alvarenga, jogou o filho de 1 ano contra um carro em movimento e bateu várias vezes a cabeça da filha, de 6, contra uma árvore, após se envolver em um acidente de trânsito. O advogado de Alvarenga, Luiz Henrique Cirilo, explicou que ainda está estudando o caso e aguardando o interrogatório para tomar novas medidas. Sara está presa na cadeia feminina de Valinhos e Alvarenga, no Centro de Detenção Provisória de Campinas-Hortolândia.Bebê melhoraO bebê teve alta nesta segunda-feira da Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Municipal Mário Gatti, onde está internado desde o acidente. A equipe médica, entretanto, optou por mantê-lo na UTI para evitar o assédio na enfermaria. Ele teve traumatismo na base da nuca, mas o ferimento já está cicatrizando. No local há apenas um pequeno curativo.O bebê tem uma mancha roxa no olho esquerdo e não consegue abri-lo. Mas abre o olho direito e o movimenta normalmente. A criança apresenta paralisação parcial no lado direito do corpo. Chegou a chorar e se acalmou depois que a avó o pegou no colo e colocou a chupeta na boca dele. Segundo o chefe do Departamento de Neurocirurgia do Mário Gatti, Demetrius Kassab, não é possível saber se o menino reconhece as pessoas. O médico explicou que as seqüelas serão melhor percebidas entre seis meses e dois anos. Mas disse acreditar que, por causa da idade, o bebê tem grande capacidade de recuperação. O cérebro da criança está desinchado, a pressão intracraniana estánormal, ele respira normalmente e se alimenta por meio de sonda.Segundo os médicos, ele tem picos de febre, mas os exames não revelam nenhuma infecção. Os médicos afirmam que somente com o tempo o quadro de saúde será definido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.