Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Advogado que desaparecera é encontrado morto

O advogado Copérnico Fontenele, de 58 anos, desaparecido desde a última quinta-feira, foi encontrado morto nesta terça-feira à tarde em um terreno de mata fechada, nos fundos de um condomínio de luxo, em Niterói, Grande Rio.Junto ao corpo do advogado, estava o de seu amigo, Oberaldo Paula da Silva. Segundo a polícia, Fontenele defendeu há mais de dez anos o traficante Ernaldo Pinto de Medeiros, o Uê, morto em uma rebelião em Bangu 1, no ano passado.O delegado Anestor Magalhães, da Delegacia Regional de Polícia de Niterói (DRPN), disse que já identificou os quatro traficantes envolvidos na morte dos dois, mas nenhum foi preso. O único nome revelado até agora é o do criminoso Fabio Souza da Silva, o Pará, de 19 anos, que mora na Favela da Fazendinha.O delegado Anestor Magalhães, da Delegacia Regional de Polícia de Niterói (DRPN), disse que já identificou os quatro traficantes envolvidos na morte dos dois, mas nenhum foi preso. O único nome revelado até agora é o do criminoso Fabio Souza da Silva, o Pará, de 19 anos, que mora na Favela da Fazendinha.?São traficantes da Fazendinha e de Itaboraí (cidade onde Fontenele morava, na baixada litorânea), que se juntaram para tramar a morte de Fontenele, um homem íntegro e respeitado pela polícia?, disse Magalhães, que não sabe o motivo do crime.O delegado informou que o fato de Fontenele atuar na defesa de Uê foi uma casualidade. ?Ele foi advogado do Uê na década de 90, quando fizeram uma apreensão de drogas em Itaboraí e atribuíram a ele (Uê). A família precisava de um advogado e contratou o Fontenele. Ele trabalhou com presos, mas não fazia só isso e não era nada que justificasse um crime violento.?Segundo testemunhas, o advogado foi visto pela última vez com Silva, quando iam de carro ver uma cliente, mulher de um preso (o nome foi mantido em sigilo), em Itaboraí. Testemunhas disseram que viram a mulher entrar no Fiat de Fontenele, mas o delegado informou que ainda vai investigar essa versão, porque ela teria dito à polícia que o advogado não compareceu ao encontro. Nesta segunda à tarde, o veículo do advogado foi encontrado queimado, em Niterói. Veja o especial:

Agencia Estado,

01 de abril de 2003 | 20h40

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.