Advogado vai pedir liberdade para homem que atropelou 6 pessoas

O vendedor Edson de Freitas Júnior, de 31 anos, continua preso no CDP de Praia Grande, na Baixada Santista, e só na semana que vem seu advogado, Mauro Ávila, irá entrar na justiça com o pedido de liberdade provisória para que o cliente responda o processo em liberdade. A prisão em flagrante ocorreu depois de o vendedor ter atropelado seis pessoas na noite de quarta-feira, provocando a morte de três das vítimas. "Estamos analisando o caso e aguardando a conclusão dos exames periciais feitos para entrarmos com o pedido de liberdade", explicou Mauro Ávila, que comentou alguns detalhes do que ocorreu na quarta-feira.Segundo o advogado, Edson e familiares passaram o dia em Peruíbe, retornaram a Itanhaém à noite e, ao chegarem, ele teve uma discussão. Saiu em seguida com seu carro no sentido de Praia Grande e, quando resolveu voltar, passou por baixo de um viaduto e entrou na pista. "Ele não estava com o farol apagado e não conhecia a região, pois era a primeira vez que vinha ao litoral.Quando aconteceu o atropelamento, ele parou para socorrer as vítimas e, com a chegada da massa humana, teve de fugir para não ser linchado", garantiu o advogado. Segundo Ávila, Edson não sabia que iria encontrar um bloqueio mais à frente e, ao retornar, acabou atropelando mais duas pessoas.O vendedor é casado e tem cinco filhos, todos menores. As nove latas de cerveja vazias encontradas em seu carro, segundo informação de familiares, era para as crianças, que vendiam a bebida. O advogado comentou que vai tentar derrubar a acusação de crime doloso em que seu cliente foi enquadrado. "Ele não tinha intenção de matar", disse ele, explicando que a tragédia ocorreu porque Edson não conhecia a região.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.