Advogados acusam policiais de espancamento

Pai e filho, ambos advogados, estão acusando policiais militares da Força Tática do 15º BPMM deGuarulhos de tê-los espancado em um terreno baldio, naquele município da Grande São Paulo. Detidos por desacato, apontam um sargento e quatro soldados como autores da agressão.Os PMs negam e afirmam que os ferimentos exibidos pela dupla resultaram de uma briga com funcionários de uma empresa de ônibus, após um acidente de trânsito.Os advogados José Carlos Pereira da Silva, de 54 anos, e Rodrigo Rossini Pereira da Silva, de 23, eram convidados de um casamento no bairro do Jaçanã, na zona norte de São Paulo. Estavama caminho da festa, quando um auto Tipo branco, dirigido por um dos padrinhos, Marcelo Prado Dias, colidiu com um ônibus da Viação Vila Galvão, na Av. C, no Parque Continental, próximo àdivisa de Guarulhos com São Paulo.Houve dicussão e agressões físicas. Uma guarnição da polícia militar chegou ao local e o cobrador Sílvio Pires de Moraes, de 34 anos, foi socorrido por estar ferido.Segundo os policiais, Rodrigo teria se alterado ao defender Marcelo, apontado como o agressor pelo cobrador. "Ele chegou ofendendo agente", diz um PM. Já o jovem advogado afirma que um policial o agrediu com um soco na face, razão pela qual foi chamar o pai.Curiosamente, José Carlos Pereira da Silva atua como defensor, na Justiça Militar. Mas, na noite de sábado, revoltado contra o PM que teria socado o filho, perdeu o controle. Segundo testemunhas, ele chegou empurrando os policiais. Foi derubado ebateu com a cabeça na calçada. Em seguida, pai e filho receberam ordem de prisão por desacato.O tenente Carlos Alberto de Souza ordenou a seuscomandados que os levassem à delegacia para o indiciamento, mas que antes passassem no Hospital Municipal de Urgência. Ele afirma que pai e filho se feriram brigando com os funcionários daempresa de transportes.Ao chegarem ao DP, algemados, José Carlos e Rodrigo tinham vários ferimentos e hematomas. Foi quando denunciaram os policiais militares de terem parado o camburão num local ermo e os espancado por cerca de cinco minutos.Apontam com agressores o sargento Almeida e os soldados Rogério, Farias, Pinheiro eVinício, da Força Tática.Além originar um inquérito por abuso de autoridade, instaurado no 1º DP de Guarulhos, o conflito atrapalhou a festa de casamento. Durante toda madrugada de domingo, noivo, noiva,padrinhos e convidados permaneceram na delegacia, aguardando a liberação dos dois advogados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.