Advogados buscam clientes entre parentes de vítimas da Gol

Representantes de quatro escritórios jurídicos norte-americanos especializados em defesa de familiares de vítimas de desastres aéreos estiveram este mês em Manaus em busca de clientes. As visitas dos advogados são a Manaus porque a cidade concentra o maior número de parentes de passageiros do vôo Gol 1907, que caiu no dia 29 de setembro no Mato Grosso. Nesta quarta, foi a vez do representante do escritório Slack & Davis, com sede no Texas. Assim como os outros escritórios norte-americanos, o Slack& Davis promete entrar com ações contra a Excel Air, empresa proprietária do Legacy, e a Honey Well, empresa fabricante do transponder do jatinho, ambas com sedes nos Estados Unidos."Nenhum escritório de advocacia pode dizer que tem mais vantagens que o outro, todos vão falar que são os melhores. Mas basta o cliente fazer buscas na internet para ver qual a empresa que está oferecendo seus serviços tem mais resultados", disse Pedro Boone, representante do Slack &davis. Segundo o site da empresa, o escritório atua desde 1993 e tem na lista de vitórias indenizações em casos de "aviation law" (legislação sobre aviação), como na queda do helicóptero que matou o guitarrista de blues Stevie Ray Vaughan, em 1990, no Wisconsin. O valor da indenização no caso é destacado como "confidencial".De acordo com Boone, não se pode informar qual o valor das indenizações possíveis. "Cada família tem um valor diferente de indenizações porque depende de vários fatores, desde a idade da vítima até qual sua participação na manutenção da família", explicou. O advogado não quis informar com quantas famílias entrou em contato em Manaus, mas seu escritório é responsável pelo pedido de indenização da família de Douglas Scott Hancock, 35 anos, o único norte-americano que estava a bordo do 1907. No início do mês, o advogado Manuel von Ribbeck, da firma Colson Hicks Eidson Law, esteve em Manaus e, na volta, afirmou que tinha feito contato com "pelo menos oito famílias". Há quinze dias, foi a vez da visita do norte-americano Artur Ballen, responsável pelos processos nos Estados Unidos dos familiares das vítimas da queda do Fooker da TAM em São Paulo em 1996. Ballen não quis informar o número de famílias que o contrataram. Sem anunciar a visita a Manaus à imprensa, também estiveram na cidade representantes do escritório Lieff Cabraser Heimann & Bernstein, também especializado em processos de indenização em casos de acidentes aéreos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.