José Patricio/AE
José Patricio/AE

Advogados de Bruno analisam pedir a anulação de seu julgamento

Possibilidade surge após suspeita de que uma das juradas que participou do júri tenha envolvimento com o tráfico de drogas

Aline Reskalla ESPECIAL/ESTADÃO,

18 Abril 2013 | 21h15

Após a suspeita de que uma das juradas que participou do julgamento do goleiro Bruno tenha envolvimento com o tráfico de drogas, o que motivou os advogados do réu a levantarem a possibilidade de anulação do júri que condenou o jogador, o promotor de Justiça Henry Wagner Vasconcellos acusou, nesta quinta-feira, a defesa de Bruno de "irresponsável" . 

 

Em nota, o promotor esclareceu que "a jurada não foi presa em flagrante delito. 

Ela foi conduzida à delegacia de polícia e liberada". Segundo Henry, "ainda que, em tese, ela estivesse cometendo o delito, durante a escolha dos jurados ela não tinha antecedente criminal" e ainda "passou pelo crivo de todas as partes, e todas aceitaram a moça para função". O Tribunal de Justiça de Minas Gerais confirmou que a ficha da jurada estava limpa na época do julgamento de Bruno e que, caso haja alguma solicitação por parte dos advogados de defesa, o que ainda não ocorreu, o tribunal vai analisar a questão, mas é improvável uma anulação, embora não seja totalmente descartada.

 

Vasconcellos afirma ainda que a defesa não tem como dizer que o voto dela influenciou a condenação do ex-goleiro do Flamengo, "porque não há como saber o seu voto". Para ele, os defensores são irresponsáveis também ao "adiantar a culpa de Clécia Marise", porque ela ainda será investigada pela polícia civil e só após o término das investigações a promotoria irá se manifestar. 

 

A reportagem tentou contato com os advogados de defesa de Bruno, Tiago Lenoir e Lúcio Adolfo, mas eles não retornaram aos recados deixados em suas caixas postais. Clécia Marise foi presa no dia 5 de abril no bar onde trabalha, após uma denúncia anônima. No local, os policiais encontraram cinco cápsulas de cocaína e uma lista com supostos nomes de usuários. A mulher foi encaminhada à delegacia, mas liberada porque não foi caracterizado flagrante.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.