Advogados deixam caso Toninho do PT

Os advogados criminalistas RalphTórtima Stettinger e Ralph Tórtima Stettinger Filho comunicaramhoje à tarde que se desligaram do caso da morte do prefeito deCampinas Antonio de Costa Santos, o Toninho do PT. Pai e filhorepresentavam a família do prefeito e a prefeitura. Elesacompanharam as investigações desde o início. Santos foiassassinado com um tiro em 10 de setembro do ano passado.Stettinger explicou que deixou a causa "depois de refletirmuito". Ele disse que seu contato com a família do prefeito"sempre foi excelente" e que a saída do caso não o deixa feliz "mas é inevitável por razões técnicas de divergência". A decisão do advogado se baseou na postura da viúva doprefeito, Roseana Garcia, e de parte da Comissão deAcompanhamento do Inquérito, integrada por membros da prefeiturae do PT, que não aceitam a conclusão das investigações. O grupo defende que Toninho do PT, como era conhecido oprefeito, foi vítima de crime de mando. As investigações doDepartamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de SãoPaulo, no entanto, apontam para crime banal. Toninho foi mortoporque atrapalhava a fuga de quatro membros da quadrilha deWanderson Nilton de Paula Lima, o Andinho, que ocupavam umVectra prata. Três ocupantes do veículo morreram em confronto com apolícia. Na conclusão do inquérito, o DHPP irá denunciá-los comoautores do assassinato. Andinho, o único sobrevivente do grupo,foi indiciado há uma semana. Para Stettinger, não há mais nada a ser feito. Mas afamília e parte da Comissão insistem para que o motivo do crimecontinue sendo investigado. "Não há mais como questionar amotivação e o inquérito não pode girar em torno dissoindefinidamente", alegou o advogado. Mesmo reconhecendo que "nãopode afirmar categoricamente ter sido um crime banal", em oitomeses de investigações não surgiu nada para indicar ocontrário. A assessoria de imprensa da prefeitura informou hoje àtarde que ainda não tinha um posicionamento sobre o ocorrido,mas que emitiria uma nota pública caso alguma nova decisão fossetomada pela Comissão e pela família.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.