Thomas Santos/AGIF
Thomas Santos/AGIF

Advogados discordam de justificativa para mandar Bruno de volta à cadeia

Para professores da PUC-PR, a gravidade do crime não é suficiente para que alguém perca o direito de responder a um processo em liberdade

Fábio de Castro, O Estado de S.Paulo

26 de abril de 2017 | 13h45

SÃO PAULO - Advogados criminalistas ouvidos pelo Estado discordam da decisão da 1ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) de mandar de volta para a prisão o goleiro Bruno Fernandes, condenado a 22 anos e 3 meses de prisão pela morte e ocultação do cadáver de Eliza Samudio e pelo sequestro e cárcere privado do filho. Na avaliação deles, a gravidade do crime não é justificativa para que alguém perca o direito de aguardar em liberdade o julgamento em segunda instância.

"Do ponto de vista técnico, é uma saída equivocada, porque a gravidade do delito não é fundamento suficiente para que alguém que responde um processo seja recolhido à prisão, mesmo depois de uma condenação em primeiro grau", disse o advogado Luiz Gustavo Tujol, professor de Direito Penal da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR). "A presunção de inocência é uma regra constitucional, e é ela que prevalece."

O também professor da PUC-PR Rodrigo Rios concorda que a decisão do STF tenha sido equivocada.

"Se a justificativa é o crime hediondo, de fato a decisão não se sustenta. A gravidade do crime não justifica a prisão cautelar, e o STF tem enorme quantidade de jurisprudência nesse sentido", disse Rios. "A condenação por um fato grave não significa que não se possa aguardar em liberdade o julgamento em segundo grau."

Segundo Tujol, Bruno só poderia estar preso se fosse uma prisão preventiva com fundamento cautelar, ou seja, uma situação que exigisse a presença do ex-goleiro na prisão.

"Não parece ser o caso. Até a imprensa cobre cotidianamente a atuação dele no time de futebol onde atua. Não há nada concreto que justifique isso."

Soberania do júri. Os advogados afirmaram ainda que a necessidade de acatar a soberania do júri, alegada pelo ministro Alexandre de Moraes, também não é uma justificativa válida para a volta do ex-goleiro à prisão. 

"Com todo respeito, essa alegação é mais errada ainda. O júri, que condenou o Bruno a 22 anos, é a primeira instância do julgamento. A soberania dos jurados não tem nada a ver com o cumprimento da pena imediata", disse Tujol. "A Constituição determina que o sujeito só pode ser preso depois do trânsito em julgado. Independentemente da gravidade do crime, é preciso que a condenação do júri seja confirmada em segundo grau, para que essa gravidade possa de fato ser imputada ao réu."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.