AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

"Advogados do PCC" vão responder a processo na OAB

Os advogados Sergio Weslei da Cunha e Maria Cristina Rachado devem se apresentar no dia 19 de junho no Tribunal de Ética e Disciplina da seccional paulista da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Os dois são acusados de terem comprado de um ex-funcionário terceirizado da Câmara dos Deputados uma gravação sigilosa em que a CPI do Tráfico de Armas ouviu os delegados Godofredo Bittencourt Filho, diretor do Deic, e Rui Ferraz. O procedimento ético disciplinar foi aberto ontem e pode demorar quatro meses pra ser concluído. O presidente do Tribunal, Braz Martins Neto, disse nesta quinta, 25, que a prisão de Cunha na CPI deve ser levada em consideração pelo juiz que for julgá-lo. A punição para os advogados vai de suspensão temporária até a expulsão da Ordem. CPINesta quinta, os dois advogados ficaram frente a frente com Arthur Vinicius Pilastre Silva, que confessou ter recebido R$ 200,00 em troca do CD contendo o depoimento secreto em que Bittencourt antecipava à CPI a informação de que chefões do PCC seriam transferidos para presídios de segurança máxima no interior de São Paulo. O presidente da CPI do Tráfico de Armas, deputado Moroni Torgan (PFL-CE), cobrou da Justiça Federal a prisão preventiva de Cunha e Maria Cristina. Já na semana passada, a CPI pediu à Justiça Federal a decretação da prisão preventiva dos dois advogados, mas ainda não houve resposta. "Não temos dúvida do envolvimento dos dois com o crime organizado", afirmou Moroni Torgan, ao final da sessão da CPI, que durou quatro horas e meia. Os dois advogados foram submetidos a uma acareação com Silva e passaram a maior parte do tempo se negando a responder a perguntas, recorrendo ao direito de só falar na Justiça. Disseram, claramente, que as respostas poderiam incriminá-los. Deputados da comissão declararam que o depoimento de Arthur Vinicius foi o único que se manteve coerente, enquanto os dois advogados caíram, segundo os parlamentares, em inúmeras contradições e fizeram afirmações inconsistentes.

Agencia Estado,

25 de maio de 2006 | 19h02

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.