Advogados faziam parte de quadrilha de seqüestradores

A Divisão Especial Anti-Seqüestro (Deas) da Polícia Civil de São Paulo apresentou hoje os integrantes de uma quadrilha de seqüestradores comandada por dois advogados, da qual fazia parte também uma advogada. Ela tinha como função dentro da quadrilha levantar o perfil e a rotina das vítimas.A quadrilha agia em várias cidades do interior paulista e, até o momento, 22 integrantes já foram identificados. Quinze deles já foram presos, sendo que sete já estavam detidos e agiam de dentro dos presídios. Oito integrantes foram detidos nos últimos dias. Falta prender outros sete acusados, que também já foram identificados.A quadrilha começou a ser descoberta há dois meses, durante as investigações do seqüestro da filha de um empresário do ramo de materiais de construção, na zona leste de São Paulo. Uma denúncia anônima levou a polícia ao cativeiro e a partir das pessoas presas ali as ramificações da quadrilha foram descobertas.Os seqüestros eram planejados dentro de presídios. Quatro integrantes da quadrilha estavam presos em Taubaté e três em Marília. Os advogados que comandavam as ações estavam presos em Taubaté, um deles por roubo e outro por seqüestro.De acordo com os policiais do Deas, de dentro dos presídios eles comandavam as ações utilizando celulares. A advogada, presa na semana passada, era namorada de um dos chefes. O Deas vai revelar logo mais os nomes dos presos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.