Advogados querem transferência de bispos da Renascer

Os advogados dos fundadores da Igreja Renascer Estevam e Sônia Hernandes tentam transferi-los do complexo prisional Federal Detention Center (FDC), em Miami - onde estão presos desde a semana passada - para a carceragem da Polícia de Imigração americana. Na tarde de segunda-feira, os defensores do casal diziam esperar conseguir a transferência ainda nesta terça-feira.De acordo com seus advogados, os Hernandes teriam pago US$ 5 mil na quinta-feira, correspondentes ao sinal do valor da fiança, calculado em US$ 100 mil, para responder em liberdade pelo crime de lavagem de dinheiro. Por duas vezes, os bispos comemoraram que seriam libertados e seus defensores divulgaram que eles seriam soltos. No decorrer da semana passada, no entanto, descobriram que respondem também pelo crime inafiançável de falsificação de documento público. O casal foi preso porque tentou entrar na Flórida com US$ 56,5 mil mas só declarou US$ 10 mil às autoridades alfandegárias.Defensora do casal em Miami, Alicia Oliveira Valle argumentou na Justiça que seus clientes têm o direito de sair do FDC. "Ela recebeu a promessa de que eles seriam transferidos hoje. Não foram antes porque as transferências não ocorrem às sextas e segunda-feira (ontem) é feriado nos Estados Unidos", afirmou Luiz Flávio Borges D´Urso, advogado dos Hernandes no Brasil. "A promessa é essa. Mas nem sequer sabemos exatamente por quais crimes eles respondem", diz.Na sexta-feira, no entanto, o cônsul-adjunto do Brasil em Miami, Luiz Felipe Mendonça, afirmou que os Hernandes ainda não haviam pago a fiança, porque precisavam comprovar que o dinheiro usado para isso era lícito. Promotores do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) disseram na segunda-feira não ter sido informados sobre um eventual pedido de transferência.Na rede Gospel, o canal de TV da Igreja, Felipe Hernandes - filho do casal - vem pedindo em cadeia nacional que os fiéis não deixem de fazer doações. "A contribuição de vocês é para manter toda a nossa obra", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.