Aécio diz que ´não fecha porta´ à proposta de Constituinte

O governador e candidato à reeleição de Minas, Aécio Neves (PSDB), candidato à reeleição, evitou críticas à proposta do presidente Lula de convocar uma Assembléia Nacional Constituinte específica para fazer a reforma política. Ele ressaltou, porém, que independente da convocação, "quando o governo se dispõe a construir maiorias, essas maiorias ocorrem, como já vimos no passado". Esta capacidade de liderança, de acordo com ele, vai depender do governo eleito.Aécio lembrou que à época da Constituinte de 1988, o Congresso Nacional se mostrou apto a fazer mudanças fundamentais. "Não fecho porta para nenhuma alternativa às reformas, o que é fundamental é que elas ocorram", disse.A expectativa, explicou, é de que o próprio congresso seja o fórum adequado não apenas para a reforma política, como também para a conclusão da reforma previdenciária que, segundo ele, não avançou "por um recuo do PT". "Vamos examinar no futuro qual o mecanismo que dará mais efetividade e agilidade às votações", afirmou.O governador deu as declarações ao chegar a um hotel, na zona sul da capital mineira, acompanhado do candidato do PSDB à presidência, Geraldo Alckmin. Aécio, Alckmin e o ex-presidente Itamar Franco participaram do seminário "Renovar Idéias: o desafio de uma saúde de qualidade", promovido pelo Instituto Teotônio Vilela, em parceria com a executiva nacional do partido. .

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.