Aécio pede impugnação da candidatura de Nilmário

A coligação Minas não pode parar, encabeçada pela candidatura à reeleição do governador Aécio Neves (PSDB), informou nesta quinta-feira, 10, que entrou na última segunda-feira com uma ação no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) solicitando a impugnação da chapa do candidato da coligação A Força do Povo, Nilmário Miranda (PT). A ação de investigação judicial eleitoral, com pedido de liminar, acusa o candidato petista de uso eleitoral de quatro portais de comunicação do governo federal na internet - entre eles a Radiobrás e a Agência Brasil - "com a clara intenção de favorecimento próprio".Segundo a coligação do tucano, a ação decorre da publicação nos endereços eletrônicos de entrevistas e fotos do candidato no exercício do cargo de ministro da Secretaria Especial dos Direitos Humanos.Reclama também que nos sites estão disponibilizados discursos de autoridades, entre elas o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, nos quais Nilmário é citado. "As publicações ferem a lei eleitoral, que determina que nenhum órgão governamental pode ser utilizado com a finalidade publicitária e eleitoral após 1º de julho", diz o comunicado da campanha de Aécio. O TRE informou que ainda não há despachos sobre o representação. A assessoria da coligação A Força do Povo disse que não havia sido notificada. SiteNa última semana, o TRE determinou a retirada de todo o conteúdo, considerado propaganda institucional, publicado no portal Agência Minas, site do governo do Estado. A liminar expedida pelo desembargador Nilo Schalcher acatou parcialmente representação da assessoria jurídica da coligação do candidato petista. A ação de investigação judicial eleitoral de três supostas condutas irregulares também pedia a impugnação do registro da candidatura à reeleição do governador mineiro. A coligação Minas não pode parar informou também que denunciou Nilmário por 17 pinturas irregulares em Belo Horizonte, sem a autorização dos proprietários, exigida pela lei eleitoral.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.