Aécio por linhas tortas

Do hospital onde estava internado em São Paulo, o presidente do PSDB, senador Sérgio Guerra, falou na semana passada com Aécio Neves por telefone na Europa. Terminou a conversa otimista com a possibilidade de o ex-governador de Minas Gerais aceitar ser candidato a vice na chapa presidencial com José Serra.

Dora Kramer, O Estado de S.Paulo

23 de maio de 2010 | 00h00

Transmitiu essa impressão à cúpula do partido que aguarda em silêncio, admite a torcida e para além desse limite não se permite avançar.

As chances aumentaram, mas não há nada decidido, inclusive porque o ex-governador de Minas Gerais voltou ao Brasil neste fim de semana e só retomará a agenda de trabalho nos próximos dias. O primeiro tema da pauta é a eleição estadual mineira.

Com um olho na situação regional e outro no cenário nacional, Aécio deve resolver se reconsidera ou não a decisão de concorrer a uma vaga no Senado para integrar a chapa presidencial como vice de José Serra.

É provável que ainda nesta semana se reúna com Serra, Fernando Henrique Cardoso, Sérgio Guerra e Tasso Jereissati, para discutir o assunto.

O assunto que estava aparentemente fora de cogitação voltou a circular a partir de onde menos se esperava: Minas Gerais, pois os correligionários de Aécio sempre impuseram as maiores resistências à composição da chamada chapa puro-sangue.

Pelo menos com o nome do ex-governador como candidato a vice. Consideravam essa hipótese uma ofensa ao estado, um papel subalterno, uma demonstração de arrogância dos paulistas que queriam pôr Minas "a reboque" na eleição.

Pois enquanto os paulistas cumpriam à risca a quarentena de silêncio imposta por Aécio, eis que de Minas começaram a surgir movimentos na direção oposta à posição anterior.

Do bastidor saíram à cena aberta quando o secretário-geral do PSDB mineiro, Lafayette de Andrada, disse na quinta-feira que existe "um grande desejo da militância do partido e dos mineiros de um modo geral de que Aécio aceite ser vice na chapa de José Serra.

O que teria operado tão radical mudança?

É o que se perguntam também até outro dia os acusados que solapar a altivez dos mineiros.

Primeiro: traduzem o que vai à mente de Aécio?

Mesmo de longe, dificilmente seus correligionários diriam algo que contrariasse suas posições.

Segundo: qual o ganho objetivo de deixar o plano do Senado para abraçar o projeto da vice?

Hipóteses aventadas. Uma: como a prioridade de Aécio é manutenção do poder político em Minas, seus aliados teriam ficados preocupados com o destino da candidatura de Antonio Anastásia, vice de Aécio, hoje no exercício do cargo. Ele aparece na pesquisa Vox Populi com 17% contra 45% para Hélio Costa do PMDB.

A presença de Aécio numa chapa presidencial, estariam raciocinando, teria mais poder de "puxar" o candidato a governador que uma candidatura ao Senado. Despertaria o sentimento de "Minas lá" no Planalto.

Outra: candidato ao Senado, Aécio terá necessariamente de descartar um aliado, Itamar Franco, já que são duas vagas em disputa, ele se elegeria certamente e a segunda provavelmente ficaria para o campo adversário: PT ou PMDB.

Mais uma: candidato a vice, Aécio ajuda a oposição a não deixar "escapar" de maneira danosa os votos de Minas para Dilma Rousseff o que, se acontecer, também resultará em prejuízos para ele. Locais e nacionais.

E se perder como vice? Terá apostado alto, podendo manter o governo estadual. Se José Serra perder a presidência e Aécio for para o Senado e o PT ou o PMDB ficarem com o governo de Minas, será senador de minoria e terá perdido o controle político do estado.

E qual o efeito sobre o eleitorado da chapa puro-sangue?

Aécio Neves costuma dizer que impacto político é coisa efêmera. Mas os tucanos não desprezam a eficácia do instrumento. Acham que aliado ao desempenho da dupla, à complementação de atributos de personalidade, à liderança política que exercem nos dois maiores colégios eleitorais do País não garante a vitória, mas é boa parte do caminho andado.

Ainda assim, em se tratando de mineiros, ninguém ainda sabe direito qual é o rumo certo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.