Aécio reage à possibilidade de retomada de vôos na Pampulha

Aécio solicitou à Anac explicações sobre medida solicitada por aéreas para decolagens também a outros Estados

Eduardo Kattah, O Estado de S,Paulo

14 Agosto 2008 | 20h02

O governo mineiro reagiu à possibilidade de retomada de vôos diretos partindo do Aeroporto da Pampulha com destino a outras capitais do País. Nesta quinta-feira, 14, o governador Aécio Neves (PSDB) disse que solicitou formalmente à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) explicações sobre a possível medida, requisitada pelas companhias Gol, TAM e Azul e em análise no órgão federal.   Veja também: Ministros do TCU advertem País para risco de nova crise aérea Contrato irregular de aeroportos deve ser anulado, diz Jobim   Os vôos nacionais foram retirados da Pampulha e transferidos para o Aeroporto Tancredo Neves, em Confins, por determinação da portaria 1891/DGAC - de março de 2005 - do então Departamento de Aviação Civil (DAC), com apoio da Infraero, do governo estadual e da prefeitura da capital mineira. "Não é possível que venha uma decisão unilateral, absolutamente contrária aos interesses do Estado", disse Aécio, classificando como um retrocesso a eventual retomada dos vôos.    Com capacidade para 1,6 milhão de usuários ao ano, o terminal da Pampulha - localizado na zona norte de Belo Horizonte - atendia em 2005 praticamente o dobro desse número, gerando um quadro de superlotação, problemas de acomodação e conforto para seus passageiros, além de denúncias de falta de segurança nas operações de vôo. Já Confins - na região metropolitana -, era considerado um verdadeiro "elefante branco". O terminal foi inaugurado em 1984 e duas décadas depois encontrava-se subutilizado, movimentando menos de 10% da capacidade de 5 milhões de passageiros/ano.   Atualmente são operados 40 vôos regionais diários na Pampulha. Em 2007, o aeroporto recebeu 759,8 mil passageiros. Por outro lado, a expectativa é que neste ano Confins chegue ao seu limite de passageiros. "Infelizmente, não houve ao longo de todos os últimos anos, de todo esse governo, qualquer investimento da Infraero no Aeroporto da Pampulha e tão pouco no Aeroporto Tancredo Neves, em Confins", reclamou o governador.   Aécio cobra melhorias na Pampulha para os vôos regionais e a ampliação de Confins, com a construção de uma nova pista. A Assembléia Legislativa de Minas Gerais deverá criar na próxima semana uma comissão especial para avaliar a atual situação dos aeroportos.   Análise   A Anac, por meio de sua assessoria de imprensa, informou que os requerimentos das companhias aéreas ainda estão sendo analisados no órgão e a portaria que impede vôos nacionais na Pampulha continua em vigor. A agência confirmou que recebeu há cerca de dez dias um documento do governo mineiro, mas disse que não havia nele pedido de explicações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.