Aéreas e Anac se preparam para evitar caos no carnaval

As empresas aéreas e a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) começam a se preparar nesta quinta-feira,8, para o feriado de carnaval. Representantes das empresas têm reunião no Procon de São Paulo para discutir estratégias de operação durante o feriado, para evitar novos atrasos e cancelamentos nos aeroportos. Enquanto isso, a Anac pretende anunciar um plano para evitar novo apagão aéreo semelhante ao do Natal. Entre as medidas que serão anunciadas estão a garantia de existência de avião reserva - com tripulação de stand by - nos aeroportos e a vigilância sobre overbooking (prática de vender mais passagens que a capacidade das aeronaves). A Anac diz que tem checado como está o sistema de reservas das empresas. As companhias terão ônibus nos principais aeroportos, prontos para serem acionados caso haja necessidade. Também haverá mais funcionários nos balcões, para manter os passageiros informados sobre tudo o que estiver ocorrendo com os vôos. Em caso de emergência ou atrasos, já estão definidas até redes de hotéis próximas, para abrigar passageiros. No carnaval, a expectativa é de que haja aumento de 20% a 30% no tráfego aéreo do País, com maiores reflexos nos Aeroportos de Congonhas, Guarulhos, Rio, Salvador e Recife. A diretora da Anac, Denise Abreu, disse que todas as medidas foram discutidas com as companhias. ?E são suficientes para garantir a tranqüilidade dos usuários?, ressaltou, destacando que respondia pelo sistema de aviação civil - e não pelo controle de vôo. No Procon, devem estar presentes também o Ministério Público, órgãos de defesa ao consumidor de outros Estados, como Minas Gerais e Rio de Janeiro, e o Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor, ligado ao Ministério da Justiça. Eles também devem debater a crise no Aeroporto de Congonhas, que deveria sofrer restrições de pousos a partir desta quinta-feira, decisão que foi revogada na tarde de quarta-feira.

Agencia Estado,

08 Fevereiro 2007 | 10h10

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.