Aeromodelo levaria celulares para presídio

PM descobre aparelho e prende 3 adultos e 1 rapaz

Daniela do Canto e Marcelo Godoy, O Estadao de S.Paulo

26 de maio de 2009 | 00h00

O plano durou três meses. Um aeromodelo com motor silenciosos seria levado por meio de controle remoto até o pátio da Penitenciária 2 de Presidente Venceslau, na região oeste do Estado. Acoplado ao aparelho, haveria nove telefones celulares para os detentos. O plano foi descoberto pelos homens da inteligência da Secretaria da Administração Penitenciária (SAP), que soube que o grupo ia entregar os aparelhos anteontem à noite. A Polícia Militar foi chamada e apreendeu o aeromodelo - era um helicóptero - e celulares. Foram presas três pessoas e detido um adolescente.É na P2 de Venceslau que está presa a cúpula do Primeiro Comando da Capital (PCC). Os PMs da Força Tática do 24º Batalhão da PM encontraram o helicóptero para aeromodelismo quando revistaram o carro dos suspeitos na Avenida Carlos Platzeck. Os acusados estavam dentro de um Celta preto. Eram 22 horas. Ao fazer a vistoria no veículo, encontraram o equipamento no porta-malas .Na base do aeromodelo estava presa uma armação de arame, barbante e fraldas descartáveis, que continha nove telefones celulares sem chips e uma tesoura. Segundo a PM, quando questionado, o menor admitiu ter sido contratado para levar os celulares ao presídio. Ele disse que recebeu R$ 10 mil para a montagem do equipamento. Posteriormente, receberia mais R$ 10 mil.De acordo com as informações da inteligência da secretaria, o grupo estava treinando o manejo do aparelho. Tinham encomendado um aeromodelo cujo motor não fizesse barulho, a fim de driblar os PMs da muralha da penitenciária, que conta com sistema de raio X para impedir a entrada de aparelhos celulares.Também foram apreendidos nove carregadores de celulares, um controle remoto e um acessório para equipamento de aeromodelismo, um carregador de bateria, um rolo de barbante, uma folha branca com anotações e uma certidão de nascimento com anotações de valores e nomes em seu verso, além de outros cinco telefones celulares.No Celta estavam o adolescente de 17 anos, morador de Guarulhos; João André Araújo, de 33 anos, de Taboão da Serra; Michele Maria da Silva, de 28, e Talita da Mata Lima, de 22, ambas da capital. Araújo permaneceu preso na Cadeia Pública de Presidente Venceslau. Michele e Talita foram levadas à Cadeia Pública de Santo Anastácio e Piquerobi, respectivamente. Os três foram autuados em flagrante por formação de quadrilha. O menor ficou à disposição do Conselho Tutelar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.