Aeronautas querem polícia fora de investigação de acidente aéreo

O Sindicato Nacional dosAeronautas (SNA) defendeu nesta terça-feira a exclusão daspolícias federal e civil de investigações sobre acidentesaéreos, e pretende apresentar essa reivindicação em audiênciajá pedida com o ministro da Justiça, Tarso Genro, ainda semdata marcada. O SNA vai propor a criação de um órgão independente deinvestigação de acidentes aéreos no Brasil, a exemplo do queocorre em outros países. Na avaliação do comandante Célio Eugênio de Abreu Júnior,assessor do SNA para segurança de vôo, as polícias federal ecivil têm atrapalhado as investigações sobre o acidente da TAMporque são órgãos inabilitados para conduzir o processo. "A polícia não é órgão habilitado para investigações dessetipo, ela é preparada para investigar crimes, falta capacitaçãopara a polícia", disse Abreu Júnior a jornalistas nestaterça-feira. Ele disse temer que haja uma criminalização da tripulaçãoda TAM no acidente em Congonhas com o Airbus A320 da empresa,que matou cerca de 200 pessoas no dia 17 de julho, assim comoocorreu no acidente da Gol, no final de setembro do anopassado, em que os controladores de vôo foram indiciados pelapolícia por crime culposo na morte de 154 pessoas. "A experiência que nós temos nos deixa apreensivos, porquehouve uma criminalização no acidente com a Gol, tememos que noacidente da TAM os pilotos sejam criminalizados...o piloto nãoteve intenção dolosa no acidente da TAM", complementou. As investigações sobre o maior acidente aéreo da históriado país ainda não foram concluídas. O Sindicato vai defender junto ao ministro da Justiça acriação de uma agência independente ao governo para apurar ascausas dos acidentes aéreos do país e apontar futuras soluçõesou medidas de prevenção a acidentes. "Esse órgão existe em todos os lugares do mundo", informouAbreu Júnior. Segundo ele, uma agência independente minimizaria umapossível pressão externa na apuração das causas dos acidentes. "O envolvimento de pessoas e órgãos alheios (ao setor) tematrapalhado muito as investigações, isso é um prejuízo àsociedade. Esperamos que no acidente da TAM somente osinvestigadores atuem", disse o comandante. Ele defendeu, no entanto, que, enquanto não se cria umórgão independente, as investigações fiquem concentradas noCentro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos(Cenipa), órgão subordinado à Aeronáutica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.