Aeronáutica confirma identificação de penúltima vítima do vôo da Gol

O Comando da Aeronáutica informou na tarde desta quinta-feira, 19, que foi identificado pelo Instituto Médico-legal (IML) de Brasília o corpo da penúltima vítima do acidente com o Boeing 737-800 da Gol Linhas Aéreas, que caiu no dia 29 de setembro, em Mato Grosso, causando a morte de 154 pessoas. Segundo a Divisão de Comunicação da Polícia Civil, o reconhecimento foi feito por meio de teste de DNA, que permite traçar a ligação genética do passageiro com a família. Com a confirmação, falta identificar apenas um dos 154 ocupantes do vôo 1907.De acordo com informações da Agência Brasil, o nome da vítima só será divulgado depois que a família for avisada. Segundo a Polícia Civil, a identificação foi feita a partir de fragmentos do corpo trasladados do local do acidente, na Serra do Cachimbo, para o IML de Brasília. Outras duas pessoas que estavam a bordo do avião também foram reconhecidas por meio de fragmentos.Em nota divulgada na noite desta quarta-feira, 18, o Comando da Aeronáutica informou que continuariam as buscas no local onde caiu o avião, apesar de os militares da Força Aérea Brasileira (FAB) e do Exército encontrarem dificuldades para localizar os corpos das últimas vítimas e o cilindro de voz da caixa-preta do Boeing. Essa parte da caixa-preta contém as gravações da conversas entre os pilotos e as torres de controle, por isso é importante para a investigação sobre as causas do acidente, ocorrido há 20 dias.InvestigaçõesO comandante da Aeronáutica, Brigadeiro Luiz Carlos Bueno, informou na tarde desta quinta, que não há prazo para a conclusão dos trabalhos de investigação sobre as causas do acidente com o Boeing da Gol e o Legacy. "A comissão não tem prazo para terminar o seu trabalho. O prazo vai ser quando se chegar a uma conclusão (do acidente) para que não se repita um novo acidente nos mesmos moldes", afirmou o Brigadeiro. Ele disse que é muito cedo para se tirar qualquer conclusão sobre o que ocorreu.Segundo o comandante, a leitura das caixas-pretas não foi feita apenas na quarta-feira, 18, mas sim desde que elas foram enviadas para o exterior. Ele lembrou que na quarta, chegou o oficial com o resultado das leituras, para dar continuidade à investigação. Os dados vão ser comparados com outros que a FAB dispõe.O Brigadeiro garantiu que as caixas-pretas estão audíveis e a conclusão de tudo depende ainda desse estudo comparativo de dados. Ele informou que todos os estudos estão sendo feitos por técnicos experientes e acompanhados pelos americanos do Legacy, da Boeing e da Embraer, seguradoras e parentes das vítimas. "Todo mundo está tendo conhecimento absoluto do que está ocorrendo", garantiu. De acordo com ele, as equipes da Aeronáutica ficarão ainda no local do acidente, até encontrar o corpo do último passageiro e para resgatar pedaços do avião para saber em que parte se deu o impacto. As declarações foram dadas pelo brigadeiro após a cerimônia em homenagem ao centenário do vôo do 14 Bis, na Câmara dos Deputados.Com Agência Brasil

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.