Aeronáutica confirma pane no Cindacta-1 de Brasília

Uma pane nos equipamentos que gerenciam as freqüências de rádio comunicações do Cindacta-1, de Brasília, provocou uma total suspensão dos pousos e decolagens nos aeroportos de Brasília por duas horas, entre 13 horas e 15 horas. A pane foi confirmada pelo Comando da Aeronáutica que esclareceu, no entanto, que desde as 15h todas as comunicações foram restabelecidas.Por causa dos problemas nas freqüências de rádios VHF, os atrasos repercutiram em todo o País. São por meio de rádios VHF que são feitos os contatos entre os controladores do Cindacta-1 e os aviões que tem destino ou partem de Brasília.Nestas duas horas, somente estavam sendo liberados os vôos entre Rio e São Paulo e os que partiam de São Paulo para o Sul do País. Como a maioria da malha aérea brasileira é toda integrada, o caos foi estabelecido nos aeroportos de todo o País.Mais cedo, entre 10h e 10h15 da manhã, foi registrado problema de falha nos equipamentos de comunicações entre o Cindacta e os aviões que passavam por Brasília. Nestes 15 minutos também o aeroporto da capital federal ficou fechado, gerando atrasos de até duas horas. Pela manhã, houve atraso em 50 vôos.Em entrevista no Comando da Aeronáutica, em Brasília, o comandante do Cindacta-1, coronel Carlos Aquino, informou que uma falha nos equipamentos que fazem a comunicação entre os aviões e os controladores de vôo foi a causa da suspensão nos pousos e decolagens de aeronaves controladas por Brasília.O coronel Aquino disse que não tinha explicação para a falha, mas afirmou que todos os equipamentos de freqüência do Cindacta-1 são novos. Ele disse "refutar" a possibilidade de a pane ter sido causada por alguma sabotagem de iniciativa de controladores ou de militares responsáveis pela manutenção dos equipamentos. O coronel informou, porém, que uma sindicância está sendo feita no Cindacta-1 para verificar todas as possibilidades.Matéria ampliada às 18h59

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.