Aeronáutica determina afastamento de 18 controladores

Apesar das baixas, Juniti Saito assegura que passageiros não enfrentarão problemas no final do ano

Tânia Monteiro, do Estadão,

27 de novembro de 2007 | 20h13

Às vésperas do início das férias, período mais crítico do tráfego aéreo no País, a Aeronáutica está determinando o afastamento de 18 controladores de vôos de suas funções, sendo 11 em Curitiba e 7 em Brasília. Segundo a Aeronáutica, os 11 controladores de Curitiba, que trabalham no Cindacta 2 foram afastados da atividades por determinação da Justiça, por exercerem funções técnicas e estarem sendo denunciados, por envolvimento no motim do dia 30 de março, quando o tráfego aéreo no país foi totalmente paralisado por quase cinco horas. No caso dos controladores do Cindacta 1, em Brasília, a situação é diferente. Eles estão sendo desligados da Força Aérea por que tem menos de dez anos de trabalho, não adquiriram ainda estabilidade e tiveram o seu pedido de engajamento, que é renovado ano a ano, rejeitado pelo Comando. A FAB não confirma, mas os sete controladores do Cindacta 1 também estiveram envolvidos no motim de 30 de março. Estes controladores recorreram da decisão à Justiça. Apesar das baixas que têm ocorrido, o comandante da Aeronáutica, brigadeiro Juniti Saito, tem assegurado que os passageiros não enfrentarão problemas no final do ano por causa de falta de pessoal. Ele tem reiterado que mais de 400 controladores estão sendo formados e que todo o sistema está ajustado e pronto para prestar serviço à população, sem problemas. O comandante já avisou também que não tolerará qualquer novo movimento reivindicatório da categoria e revelou que já tem um plano de substituição imediata de pessoal, caso haja algum problema. Se estas novas lideranças surgirem, tem dito o comandante, elas serão imediatamente afastadas, para não contaminar o grupo que, asseguram, está trabalhando de forma coesa.

Mais conteúdo sobre:
Aeronáuticacontroladores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.