Aeronáutica recomenda pista auxiliar em Congonhas se chover

O comandante da Aeronáutica, brigadeiro Juniti Saito, disse ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva nesta quarta-feira que um centro de investigação do órgão recomenda que por precaução, em período de chuva e vias molhadas, a pista principal do aeroporto de Congonhas não seja mais utilizada. Na noite de terça-feira, em meio a chuvas, um Airbus da TAM, com 186 pessoas a bordo, não conseguiu frear quando tentava pousar no aeroporto e acabou chocando-se contra dois prédios e um posto de gasolina na área. Segundo a assessoria de imprensa do Palácio do Planalto, o brigadeiro não fez "nenhum juízo de valor" a respeito das condições da pista, apenas relatou a avaliação do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes da Aeronáutica (Cenipa) sobre o uso de uma pista auxiliar do aeroporto paulista para determinadas circunstâncias. A caixa-preta encontrada nos escombros do acidente será enviada imediatamente aos Estados Unidos para perícia do National Transportation Safety Board. A entidade, responsável pela investigação de acidentes aeronáuticos nos EUA, terá 30 dias prorrogáveis por igual período para concluir a análise do material. O presidente Lula determinou ao ministro da Justiça, Tarso Genro, a abertura de um inquérito policial para investigar a responsabilidade de algum órgão público com relação à pista de vôos e decolagens de Congonhas. Lula quer saber se houve precipitação na entrega da pista principal do aeroporto, que passou por reformas entre maio e junho. A investigação será realizada pela Polícia Federal.

NATUZA NERY, REUTERS

18 Julho 2007 | 11h28

Mais conteúdo sobre:
BRASIL ACIDENTE LULA SAITOPISTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.