Aeronáutica trabalha com hipótese de sobreviventes do voo

Jorge Amaral acrescentou que a região onde está sendo feita a busca do avião 'é uma área no meio do nada'

Isabel Sobral, da Agência Estado,

01 de junho de 2009 | 19h40

O vice-chefe da Comunicação Social do Comando da Aeronáutica, coronel Jorge Amaral, disse nesta segunda-feira, 1, que a Aeronáutica ainda trabalha com a hipótese de haver sobreviventes do voo AF 447, da Air France, desaparecido na madrugada de ontem. "Temos que trabalhar com a hipótese de sobrevivência enquanto não tivermos confirmação", disse o coronel.

 

Veja também:

lista Todas as notícias sobre o voo 447

Voo 447 reportou pane antes de desaparecer dos radares

blog Acompanhe a cobertura pelo blog Tempo Real

lista Voo 447: Confira os passageiros confirmados até o momento

som Podcast: Especialista não tem dúvidas de que avião da Air France caiu no mar

som Podcast: Coronel da FAB fala sobre o desaparecimento do avião da Air France

especial Cronologia dos piores acidentes aéreos dos últimos dez anos

mais imagens Veja Galeria de fotos

especial Anac monta sala no Galeão para familiares; veja telefones de contato

video TV Estadão: Especialista fala sobre o acidente

Airbus pode ter sido atingido por raio durante tempestade

Voo 447 pode ter tido problemas em zona intertropical

Navios e aviões do Brasil, França e Espanha buscam por Airbus

'Eu fiquei branco, não sabia o que fazer', diz brasileiro em Paris

Veja nomes de passageiros confirmados no voo da Air France

 

Questionado sobre rumores de que teria havido um contato visual por parte de uma aeronave, que sobrevoava a região de Dakar durante o dia de hoje, de possíveis destroços de um avião, o coronel afirmou que não há qualquer confirmação oficial. Ele relatou, no entanto, ter havido uma informação das autoridades de Dakar de que um avião reportou a eles que teria visualizado pequenos focos de incêndio na região costeira próxima ao Senegal. O coronel Amaral afirmou, no entanto, que não houve confirmação se realmente havia esses focos.

 

 

Ele acrescentou que a região onde está sendo feita a busca "é uma área no meio do nada". Por causa disso, ele explicou que é muito difícil a realização do trabalho de busca pela Aeronáutica. Segundo ele, o padrão de busca utilizado é o longitudinal com o retorno das aeronaves para a posição onde foi feito o último contato do avião com o Cindacta 3. O coronel informou que estão envolvidos na operação, até o momento, em torno de 100 pessoas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.