Aeroporto de Viracopos começa 2013 repaginado

Obras no atual terminal são emergenciais, até que o novo fique pronto em em 2014

Ricardo Brandt, O Estado de S. Paulo

03 Janeiro 2013 | 16h43

CAMPINAS - O Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas, interior de São Paulo, inicia 2013 em transformação. Com internet sem fio grátis os usuários, o terminal recebeu mais saguões de espera para embarque, novos banheiros, passarela coberta ligando aos bolsões de estacionamento, mais lojas e um visual repaginado. As obras no atual terminal são emergenciais, até que o novo fique pronto em em 2014 - o que vai elevar a capacidade de movimento do aeroporto para 14 milhões de passageiros/ano.

"Já parece um novo aeroporto. Precisa melhorar ainda, mas algumas coisas já dão para sentir, como por exemplo a limpeza dos banheiros", afirma o empresário Rubens Fontana, de 42 anos, que usa semanalmente Viracopos. "Liberar internet sem cobrança também é algo que precisava ter nos outros aeroportos", acrescenta. Os banheiros pequenos e precários eram um dos principais problemas do aeroporto. Eles foram modernizados, ganharam exaustores e novos equipamentos. Outros estão em construção. Até o fim de março, quando terminar esse processo de revitalização na atual estrutura, a área de sanitários será ampliada em 94%, passando dos atuais 249 m² para 483 m².

As mudanças fazem parte dos primeiros investimentos da concessionária Aeroportos Brasil Viracopos, que assumiu a gestão do aeroporto em 14 de novembro, após vencer o leilão em fevereiro do ano passado. A falta de free shop em Viracopos é outro gargalo próximo do fim. As duas lojas estão prontas, apenas aguardando liberação para funcionar. Uma loja menor, de 87 m², foi construída na área do embarque internacional, e outra maior, de 237 m², no desembarque - elas serão operadas pela Duty Free.

A concessionária ressaltou "a relevância do início de operação do free shop para atração de novos voos internacionais regulares a partir de Viracopos". Atualmente, o terminal opera voos para Lisboa (Portugal), pela TAP, e para Buenos Aires (Argentina), pela Gol.

Além do free shop, na parte comercial, novas lojas serão abertas: quiosques da Chilli Beans e Havianas, três lojas do Fran's Café, duas novas locadoras de veículos, um restaurante de comida italiana, são novidades que até fevereiro estarão em funcionamento.

"Poucos anos atrás Viracopos parecia uma rodoviária. Não tinha lojas nem estrutura para um aeroporto de grande cidade", afirma a gerente de marketing Solange Felipo, de 38 anos. Para ela, a falta de um free shop e de mais voos internacionais são os maiores problemas do aeroporto de Campinas.

Outra novidade em Viracopos será as duas linhas de ônibus do Airport Service, que começam a funcionar este mês. Elas serão geridas pela Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU). Serão duas linhas, uma entre Indaiatuba, Viracopos e região central de Campinas, e outra entre Paulínia, Barão Geraldo e Viracopos. Aperto A concessionária Aeroportos Brasil espalhou sua marca por todo aeroporto e investiu em melhorias visuais e estruturais para otimizar o espaço. O atual terminal opera muito acima de seu limite. Com capacidade oficial para 3 milhões de passageiros por ano, Viracopos movimentou em 2012 mais de 9 milhões de pessoas.

"Estamos investindo em pequenas ações que otimizam todo espaço de operação do atual aeroporto", explica o diretor de engenharia Gustavo Müssnich. Uma das melhorias é a ampliação dos espaço para usuários. Duas novas áreas de embarque já foram abertas e outras estão sendo montadas, elevando a área atual dos 2,3 mil m² para 5,8 mil m².

Canteiro de obras. As ações no atual prédio de Viracopos são paliativas. Só a inauguração do novo terminal, um moderno prédio em construção, com mais de 500 pessoas trabalhando, adequará o aeroporto para o movimento que é esperado para os próximos anos. Até 2014, sua capacidade subirá para 14 milhões de passageiros por ano e, ao término da concessão, sua capacidade poderá ser de até 80 milhões de passageiros - transformando-se no maior aeroporto do país.

Para isolar o gigantesco canteiro de obras, do novo terminal, da vista dos passageiros, foram colocados tapumes por todo sitio aeroportuário. "A obra começa agora a sair do chão. O grande desafio será cumprir dentro do prazo a conclusão", afirmou o diretor de engenharia. Para isso, a concessionário terá R$ 1,2 bilhão do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), dos quais R$ 50 milhões, já liberados em dezembro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.