Aeroporto Tom Jobim, no Rio, volta a ter vôos domésticos

O Aeroporto Internacional Tom Jobim, na zona norte do Rio, prepara-se para receber de volta vôos domésticos de longa distância, que estavam operando no Santos Dumont desde meados da década de 90. A partir do dia 29 de agosto, o Santos Dumont, no Centro, ficará somente com os vôos da ponte aérea Rio-São Paulo e operações regionais. Uma força-tarefa foi constituída por autoridades municipais, estaduais e federais para criar medidas complementares. A intenção é desafogar o Santos Dumont e revitalizar o antigo Galeão, acrescentando seis mil passageiros ao volume diário de 14 mil.Com dois modernos terminais equipados com uma das mais avançadas infra-estruturas aeroportuárias do País, o Aeroporto Internacional Tom Jobim viu o movimento anual despencar de 7,8 milhões de passageiros para 5,1 milhões entre 1998 e 2003. Espera-se que a transferência de vôos de conexão para Belo Horizonte, Vitória, Brasília e outros destinos de grandes companhias aéreas resolva os problemas dos dois aeroportos. Para agilizar as mudanças, serão feitas modificações na operação do Tom Jobim. A Infraero iniciou uma revisão geral das instalações dos terminais de passageiros. Banheiros e sistemas de iluminação e sinalização serão recuperados. A operação de ônibus e táxis será alterada. Até o fim de julho, a Prefeitura do Rio abrirá licitação de novas linhas de ônibus ligando o aeroporto à Barra, na zona oeste, e à Lagoa, na zona sul. A Polícia Militar irá reforçar o policiamento nos terminais e na Linha Vermelha, principal via de ligação com o Centro. Uma campanha de esclarecimento aos usuários está sendo planejada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.