Aeroportos do País têm manhã tranqüila no Natal

Depois de cinco dias de crise aérea, a situação está mais tranqüila nos aeroportos do País na manhã desta segunda-feira, dia de Natal. No Aeroporto Internacional de Cumbica, em Guarulhos, São Paulo, por volta das 11 horas, os poucos vôos atrasados decolavam cerca de meia hora após o horário previsto, segundo a reportagem da Rádio Eldorado. As filas nos guichês das companhias aéreas estão sensivelmente menores.Segundo boletim divulgado pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), da 0 hora a 10h30 desta segunda-feira, dos 635 vôos programados, 143 foram cancelados pelas empresas e apenas 79 sofreram atrasos de mais de uma hora nos 14 principais aeroportos pesquisados. A agência informou que o alto número de cancelamentos é explicado pela " reorganização da malha aérea e à readequação dos horários dos vôos".O aeroporto que registrou maior número de vôos fora do horário continuou sendo o de Cumbica, em Guarulhos, com 28 dos 83 vôos com problemas de atraso. Onze deles foram cancelados. O aeroporto de Fortaleza, o segundo da tabela com número de vôos atrasados, registrou nesta manhã sete vôos atrasados e quatro cancelados. Em Congonhas, apenas dois vôos estavam fora do horário programado, mas 19 foram cancelados.TAMNesta segunda-feira, a TAM divulgou uma nota explicando os atrasos nos seus vôos. Segundo o boletim, a operação de vôos foi regularizada e a partir das 12h e não foram registrados atrasos pela empresa.A exceção é um vôo de Salvador para Manaus, com escalas, que apresentou duas horas e meia de atraso, mas que estará dentro de seu horário previsto a partir da tarde desta segunda. Segundo a nota, a TAM "mantém equipes de reforço nos principais aeroportos do país. Os atendimentos de check-in e nas salas de embarque estão dentro da normalidade e a frota de 95 aeronaves continua em plena operação". Quanto às bagagens extraviadas, a empresa informa que equipes estão trabalhando para agilizar o processo de entrega. Já a venda de novos bilhetes continua suspensa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.