Aeroportos têm filas de quase 1 km nesta sexta-feira

Os passageiros que tentavam embarcar em seus vôos programados para a manhã desta sexta-feira, 22, enfrentavam filas enormes nos terminais dos aeroportos do País. No Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, a fila para o check-in no guichê da TAM, por volta das 9 horas, chegava a quase 1 quilômetro de extensão. Algumas pessoas chegaram a provocar pequenos tumultos devido à falta de informações. Um grupo usou narizes de palhaços para demonstrar a revolta. Até as 9 horas, 18 decolagens e 13 pousos domésticos estavam atrasados. O pior deles era um vôo da TAM que deveria chegar à 0h45 vindo de Campo Grande, em Mato Grosso do Sul, e ainda não tinha aterrissado.No Aeroporto de Congonhas, na zona sul da capital paulista, a situação não era muito diferente, com passageiros sem informações. Porém, as filas nos guichês estavam menores e com 21 partidas e 24 chegadas fora do horário.A sexta-feira também começou em clima caótico no Aeroporto Antonio Carlos Jobim, no Rio de Janeiro. A pior situação era encontrada no guichê da TAM, com fila de aproximadamente 600 metrôs. Os passageiros estavam revoltados com a falta de informação e com os atrasos."Por volta de cinco horas, 100 pessoas fizeram um buzinaço no aeroporto, batendo e socando as paredes e os ferrinhos. A gente não deixava ninguém entrar no setor de embarque. A Polícia nos acompanhou de longe, mas o protesto foi pacífico e durou 40 minutos", disse o engenheiro Francisco Nilson de 60 anos, que vai processar a companhia aérea. Seu vôo estava marcado para meia-noite e meia e ainda não tinha decolado até às 9h40 desta sexta-feira.AnacEm entrevista coletiva na tarde de quinta-feira, 21, o presidente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Milton Zuanazzi, afirmou que os reajustes para solucionar os atrasos nos vôos estavam sendo feitos. Zuanazzi ressaltou que os atrasos não têm relação com o controle do tráfego aéreo. "Em primeiro lugar, quero dizer que há segurança no espaço aéreo.O que está sendo feito é para a garantir a segurança. As medidas estão sendo tomadas", declarou na entrevista.Na quinta-feira, Zuanazzi disse que não podia "falar sobre o excepcional. Hoje, o momento é de ajuste, um momento ruim. Mas para amanhã, não faltará nenhum esforço por parte das autoridades", previu o presidente da Anac para a resolução dos problemas nesta sexta-feira.Zuanazzi confirmou que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva determinou que haja total transparências nas informações aos passageiros sobre as razões de qualquer tipo de atraso nos aeroportos. "O presidente Lula determinou que demos informações corretas sobre o que aconteceu (nos aeroportos) e pediu também que sejam dadas informações aos passageiros e que não os deixemos sem explicações", relatou.Esta matéria foi atualizada às 10h37 para acréscimo de informações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.